Bolsas

Câmbio

EXCLUSIVO-CGG fecha acordo para reestruturação de dívida de US$170 mi

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - A Cantagalo General Grains (CGG), companhia brasileira que produz e negocia commodities como soja e milho, obteve acordo para a reestruturação de sua dívida, disseram executivos da empresa à Reuters.

A companhia têxtil brasileira Coteminas é a acionista controladora da CGG. Sua trading é uma joint venture, na qual a japonesa Sojitz Corp detém 43 por cento.

Pelos termos do acordo, a dívida de 170 milhões de dólares devida pela área de trading da CGG será paga em sete anos, com amortização do principal começando após o terceiro ano.

Alguns dos bancos envolvidos no acordo foram Banco do Brasil, ABN Amro, Rabobank, Banco Bradesco e Banco Santander Brasil, segundo a CGG.

O ABN Amro não respondeu a um pedido de comentário. Banco do Brasil, Rabobank, Bradesco e Santander não quiseram comentar.

A empresa colocou seu terminal portuário de Itaqui, no Maranhão, como garantia para refinanciar essa dívida.

Mais cedo neste ano, a companhia havia refinanciado 10 milhões de dólares de dívidas, disseram executivos.

A CGG agora almeja aumentar a operação e produção de commodities após uma reestruturação na gestão que marcou a saída das operações de algodão.

"Uma das primeiras correções da nova gestão foi de deixar o setor do algodão", disse Brandon Crozier, presidente-executivo desde novembro.

O algodão é intensivo em capital e a CGG não tinha a especialização e balanço necessários para obter sucesso nesse mercado, disse ele.

Neste ano, a CGG quer negociar até 800 mil toneladas de milho, ante 7 milhões de toneladas de grãos em 2014, uma vez que a empresa foca em melhorar as margens de lucro por meio de gestão de capital mais eficiente.

A CGG também está buscando formas de melhorar seu negócio agrícola.

A companhia possui 100 mil hectares de terras, dos quais 70 por cento é agricultável, com capacidade produtiva de 350 mil toneladas de grãos, segundo executivos. Terceiros estão utilizando a terra neste ano enquanto a CGG realiza sua reestruturação.

Quando a CGG retomar as atividades no campo, executivos disseram que eles irão focar em não transgênicos, farelo de soja com alto teor de proteína, orgânicos industriais e rotação de culturas alternativas, como sorgo, o que é esperado que dê uma posição em mercados de nicho.

"Não podemos replicar o que as ABCDs fazem bem", disse Crozier, referindo-se a ADM, Bunge, Cargill e Dreyfus, que dominam a operação global de commodities.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos