Bolsas

Câmbio

Jungmann diz que nenhum país do mundo vende uma empresa estratégica como Embraer

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, destacou a importância da parceria estratégica entre a Embraer e a Força Aérea Brasileira para o desenvolvimento tecnológico do país, e manifestou preocupação que uma união entre a empresa brasileira e a norte-americana Boeing poderia ter para o desenvolvimento de novas capacidades militares e tecnológicas.

Em artigo publicado no jornal O Estado de S.Paulo nesta quinta-feira, Jungmann disse que questões relativas à propriedade intelectual, transferência de tecnologia e o controle regulatório e legal por parte do Congresso dos Estados Unidos têm dificultado o "desejável jogo ganha-ganha entre Brasil e Estados Unidos".

"Num modelo de subordinação de governança corporativa, o desenvolvimento de novas capacidades militares e tecnológicas ficaria sujeito à legislação estadunidense. O que poderia implicar a perda de desenvolvimento de tecnologia e conhecimento no Brasil", escreveu Jungmann, acrescentando que as relações que imperam nesta área não são regidas pelas leis de mercado, mas por estratégias geopolíticas e de defesa nacional.

"Por isso precisamos ser pragmáticos. É importante que as partes compreendam os limites impostos e busquem formas construtivas de estruturar relações benéficas, de longo prazo, para todos os envolvidos", disse.

"Daí que nenhum país no mundo vende uma empresa estratégica e líder em tecnologia como a Embraer."

A Reuters noticiou na semana passada que a Boeing está buscando aprovação em Brasília a um plano para criar uma nova empresa englobando as operações de jatos executivos e comerciais da Embraer, deixando de lado a área de defesa da empresa brasileira. Segundo duas pessoas familiarizada com as discussões, a estrutura daria à Boeing controle operacional e uma participação de 90% na nova empresa.

Representantes da Boeing e da Embraer disseram na quarta-feira que as negociações ainda estão em andamento, mas que pontos importantes ainda precisam ser definidos.

Piloto da Esquadrilha da Fumaça precisa ter 1.500 horas de voo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos