ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Mercados de petróleo da Ásia se apertam um ano após início de cortes da Opep

15/02/2018 11h14

Por Henning Gloystein

CINGAPURA (Reuters) - Pouco mais de um ano após uma redução da produção liderada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e pela Rússia, os mercados de petróleo na Ásia se apertaram visivelmente, com quantidades significativas de excedentes em petróleo retiradas de navios-tanque usados ​​para armazenamento e entregues a clientes em toda a região.

Dados de navios mostram que cerca de 15 superpetroleiros estão atualmente cheios de petróleo flutuando nas costas de Cingapura e a vizinha Malásia, principal centro comercial e de armazenamento da Ásia de petróleo do Oriente Médio para a Ásia.

Isso é um pouco menos do que em novembro passado e metade do número do número de petroleiros usados ​​para armazenamento em meados de 2017.

Os comerciantes dizem que os tanques terrestres na região, inclusive o de Vopak, em Johor, na Malásia, também não estão mais cheios, marcando uma reviravolta em relação a 2016/17, quando se temia uma situação conhecida como "tank-top", em que os mercados de petróleo estão tão inchados que ficam sem capacidade de armazenamento.

A queda no armazenamento é um sinal que a restrição de produção iniciada pela Opep e seus aliados, incluindo a Rússia, em janeiro de 2017, está tendo o efeito pretendido de reduzir um excesso global de oferta.

Além disso, os dados de embarques mostram que a maior parte dos navios-tanque com petróleo nas redondezas de Cingapura está apenas parcialmente cheia, em contraste com o visto em 2016/17, quando eles estavam completamente lotados de petróleo.

Mais Economia