PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Deral eleva levemente safra de soja no Paraná em meio a atraso na colheita

22/02/2018 13h00

Por José Roberto Gomes

SÃO PAULO (Reuters) - O Departamento de Economia Rural (Deral) fez leves ajustes em suas estimativas para a safra 2017/18 no Paraná e agora aposta em produção de 19,28 milhões de toneladas de soja na atual temporada, ante 19,26 milhões na previsão de janeiro e 19,83 milhões em 2016/17.

A revisão ocorre após um período de chuvas em excesso no Estado, que tem atrasado a colheita e levou alguns agentes a apostarem em perda de potencial produtivo.

Mas por ora as precipitações, que devem voltar na semana que vem, não reduzem a expectativa de produção de soja no segundo maior produtor nacional da oleaginosa, atrás apenas de Mato Grosso.

Até segunda-feira, 9 por cento da área havia sido colhida, ante 31 por cento há um ano, disse o departamento.

O temor é de que uma concentração de colheita a partir de agora "congestione" as entregas às cooperativas do Estado, que recebem 70 por cento da soja produzida no Paraná.

Apesar do aumento na expectativa de safra, a produção de soja do Estado ainda ficaria 3 por cento abaixo do recorde da temporada passada.

MILHO

O atraso na colheita de soja se reflete também no plantio do milho de 2ª safra, o "safrinha", colhido em meados do ano. Isso porque, em muitos casos, o cereal é plantado logo após a retirada da oleaginosa do campo.

Até segunda-feira, 16 por cento da área prevista para a 2ª safra, de 2,14 milhões de hectares, havia sido semeada, bem aquém dos 48 por cento há um ano, segundo o Deral.

O órgão projeta uma produção de 12,35 milhões de toneladas de milho safrinha no Paraná neste ano, ante 12,28 milhões na previsão de janeiro.

Na comparação com o ano passado, a colheita deverá cair 7 por cento, diante de uma redução no plantio.

Já o milho 1ª safra, cuja colheita está em 6 por cento da área, ante 14 por cento há um ano, deve totalizar uma produção de 2,97 milhões de toneladas, levemente aquém das 2,98 milhões consideradas em janeiro e bem abaixo dos 4,92 milhões de 2016/17.

(Por José Roberto Gomes)