ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Varejistas dos EUA e empresas de calçados pedem que Trump não atinja a China com tarifas

19/03/2018 20h22

Por Ginger Gibson

WASHINGTON (Reuters) - Os varejistas e fabricantes de sapatos continuaram a chamar a atenção para suas preocupações de que o plano do presidente Donald Trump de impor tarifas extensas sobre produtos importados da China resultará em preços mais altos ao consumidor.

Várias grandes empresas de varejo dos EUA, incluindo a Wal-Mart, a Target e a Macy's, enviaram nesta segunda-feira ao presidente Donald Trump uma carta pedindo que ele não imponha tarifas abrangentes sobre mercadorias importadas da China.

Em outra carta a Trump na segunda-feira, 82 empresas de calçados, incluindo a Nike, Genesco, Payless, Under Armour, Shoe Carnival e Weyco Group ecoaram essas preocupações.

A administração Trump estaria preparando tarifas contra a tecnologia da informação chinesa, telecomunicações e produtos de consumo, na tentativa de forçar mudanças na propriedade intelectual e nas práticas de investimento de Pequim. Washington poderia impor mais de 60 bilhões de dólares em tarifas de produtos que vão de produtos eletrônicos a roupas, calçados e brinquedos.

"A aplicação de qualquer tarifa adicional ampla puniria as famílias trabalhadoras americanas com preços mais altos nos produtos básicos domésticos, como roupas, calçados, eletrônicos e produtos domésticos", disseram os varejistas.

As empresas de calçados argumentaram que os calçados já estão sujeitos a pesadas tarifas.

"A adição de mais tarifas significaria custos mais altos para os consumidores de calçados e menos empregos nos EUA", afirmou a carta. "Dada a sensibilidade ao preço de nossos produtos, qualquer aumento adicional em nossos custos atingirá o coração de nossa capacidade de manter produtos com preços competitivos para nossos consumidores."

Uma ação chamada Seção 301 permitiria a Trump impor tarifas unilaterais à China em resposta a uma conclusão do governo dos EUA de que os chineses haviam violado as regras de propriedade intelectual. As tarifas não precisariam de aprovação do Congresso.

(Por Ginger Gibson)

Mais Economia