ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Após reajuste, CNA irá novamente ao STF pedir suspensão da tabela de fretes

De São Paulo

05/09/2018 17h23

A CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) irá entrar com novo pedido no STF (Supremo Tribunal Federal) para suspender o reajuste na tabela dos fretes rodoviários e pedir agilidade no julgamento das ações que contestam a medida instituída após os protestos de maio.

O anúncio ocorre horas depois de a reguladora ANTT publicar um novo tabelamento de fretes, com impacto médio de 5%, a depender da carga, incorporando a alta da semana passada no preço do diesel.

Para a CNA, que disse já ter identificado altas de 3,15% a 6,82% para o frete de cargas geral, granel e frigorificada, a nova tabela "vai trazer ainda mais prejuízos e insegurança jurídica ao setor agropecuário e à sociedade".

Leia também:

Em nota, a assessora técnica da Comissão Nacional de Infraestrutura e Logística da CNA, Elisangela Pereira Lopes, disse que, no atual ritmo de aumento, em um ano o tabelamento pode subir até 30%.

"Nenhum índice de inflação teria um reajuste tão alto. E o produtor não tem seus produtos reajustados dessa maneira. Os produtos do agro, quando exportados, têm seus preços estipulados pelas Bolsas de valores internacionais. É uma insegurança jurídica muito grande para o setor", afirmou.

"Está ficando impraticável transportar produtos agropecuários. Para o milho, os custos do transporte já correspondem 70% do valor do produto no mercado internacional", acrescentou.

O Brasil é o maior exportador global de soja e o segundo de milho e depende fortemente do transporte rodoviário para escoar sua produção.

Veja como é fabricado o etanol brasileiro

UOL Notícias

Mais Economia