ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Bovespa recua com preocupações sobre cena eleitoral e exterior desfavorável

11/09/2018 11h27

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava na manhã desta terça-feira, pressionado por preocupações com o cenário eleitoral no Brasil, além de um cenário menos favorável no exterior, com as ações de bancos e da Petrobras entre as maiores pressões de baixa.

Às 11:20, o Ibovespa caía 1,8 por cento, a 75.063,39 pontos. O volume financeiro somava 2 bilhões de reais.

Agentes financeiros reagiam à pesquisa Datafolha divulgada na véspera, que mostrou o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, na liderança, mas com elevada rejeição, enquanto quatro candidatos estão embolados na disputa pelo segundo lugar.

Na visão do estrategista Juliano Ferreira, da BGC Liquidez, a pesquisa sugere que Bolsonaro segue com grandes chances de ir para o segundo turno, embora chance maior hoje é de ele perder a disputa na segunda rodada, independente de quem for o opositor.

Por outro lado, o estrategista destacou em nota a clientes que o "momentum" dos candidatos do PDT, Ciro Gomes, e a vice pelo PT, Fernando Haddad, na pesquisa "traz desconforto" para o mercado, enquanto o tucano Geraldo Alckmin "correndo por fora não está morto, mas ainda precisa se provar mais".

Os estrategistas do BTG Pactual Carlos Sequeira e Bernardo Teixeira ponderaram que, embora as pesquisas tenham indicado tendências consistentes, há alguns fatores-chave que podem abalar as intenções de voto daqui para frente.

Em nota a clientes, eles citam entre esses fatores o período da campanha de rádio/TV gratuita que foi ao ar apenas por uma semana; a capacidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de transferir votos para Haddad; e a capacidade de Bolsonaro de manter as intenções de voto.

Investidores também aguardam o anúncio de Haddad como candidato pelo PT. Fontes afirmaram à Reuters que, apesar de todas as garantias de que iria resistir, o ex-presidente Lula autorizou o anúncio.

No exterior, persistentes preocupações com disputas comerciais envolvendo os Estados Unidos pressionavam ações de mercados emergentes. Em Wall Street, o S&P 500 operava perto da estabilidade.

DESTAQUES

- ITAÚ UNIBANCO PN caía 2,79 por cento e BRADESCO PN recuava 3 por cento, uma vez que o setor figura entre os mais sensíveis a especulações sobre a disputa presidencial e em momentos de aversão a risco. BANCO DO BRASIL tinha queda de 3,15 por cento.

- PETROBRAS PN perdia 2,8 por cento, também afetada pelos receios com o panorama eleitoral, na contramão do movimento positivo dos preços do petróleo no exterior. PETROBRAS ON caía 1,89 por cento.

- ELETROBRAS PNB e ELETROBRAS ON cediam 4,68 e 4,66 por cento, respectivamente, acompanhando o movimento negativo de outras companhias de controle estatal dadas as incertezas relacionadas às eleições no país.

- SMILES recuava 4,59 por cento, ainda contaminada pelas incertezas relacionadas à decisão da companhia aérea Latam de não renovar acordo operacional com Multiplus e anunciar oferta de aquisição de ações (OPA) para fechar o capital da empresa de programa de fidelidades.

- FIBRIA tinha elevação de 0,76 por cento e SUZANO subia 0,51 por cento, encontrando suporte na valorização do dólar sobre o real.

Mais Economia