ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Acordo adicional da Argentina com FMI está "perto de acontecer"

24/09/2018 18h45

Por Scott Squires e Eliana Raszewski

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse nesta segunda-feira que o país está próximo de um acordo com o Fundo Monetário Internacional para aumentar a linha de crédito de 50 bilhões de dólares, ao mesmo tempo em que uma fonte do governo disse que uma linha adicional de 3 a 5 bilhões de dólares poderia ser anunciada nesta semana.

Macri disse, numa entrevista com a Bloomberg TV em Nova York, que a Argentina poderia receber mais apoio do FMI, mas evitou dar detalhes adicionais porque as conversas ainda estavam em andamento.

A fonte do governo, que pediu para não ser identificada porque as negociações estão em curso, disse em uma notícia publicada pelo jornal local La Nación que um adicional de 3 a 5 bilhões de dólares em financiamentos estava "perto de acontecer".

Além do acordo de standby de 50 bilhões de dólares fechado em junho, os recursos extras cobririam a maior parte da necessidade de financiamento da Argentina em 2019, à exceção de 2,5 bilhões de dólares, que precisariam ser levantados nos mercados domésticos no ano que vem, de acordo com um comunicado do Ministério da Economia.

O comunicado também disse que a Argentina vai rolar 100 por cento de seus títulos do Tesouro de curto prazo para o ano que vem.

DESVALORIZAÇÃO

Um período de seca prejudicou as exportações de grãos da Argentina e uma corrida contra o peso aumentou os temores de que o país poderia ser incapaz de pagar suas dívidas internacionais em 2019.

O peso caiu cerca de 0,13 por cento, para fechar a 37,33 para o dólar, disseram operadores. O banco central disse ter vendido 112 milhões de dólares, de um total de 250 milhões de dólares ofertados, a uma média de 37,3172 por dólar.

O peso perdeu cerca de 50 por cento de seu valor contra o dólar neste ano. Alimentada pela desvalorização, a inflação deve encerrar o ano em cerca de 40 por cento, aumentando a pobreza na terceira maior economia da América Latina.

"A parte mais importante do nosso acordo é que temos uma política monetária clara que vai nos mostrar onde estamos indo", disse Macri.

Ele acrescentou que há "chance zero" de a Argentina deixar de pagar sua dívida no ano que vem.

Macri, que disse estar "pronto para concorrer" a um segundo mandato nas eleições do próximo ano, previu que a Argentina enfrentaria mais cinco meses de recessão antes de ver uma recuperação puxada pelas exportações. Dadas as condições climáticas favoráveis, Macri disse que as exportações no próximo ano iriam "disparar para novos níveis de produção".

Milhares de pessoas tomaram as ruas de Buenos Aires nesta segunda-feira para protestar contra políticas de Macri, um dia antes de uma greve nacional convocada por sindicatos, que ameaça interromper todo o transporte público na cidade.

Mais Economia