PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Envelhecimento pode deixar Europa com recessões mais longas, diz BCE

17/10/2018 12h25

MADRI (Reuters) - O envelhecimento da população europeia poderá restringir permanentemente a política monetária, levando a recessões mais longas e recuperações mais fracas, disse o economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Peter Praet, nesta quarta-feira.

A mudança demográfica da Europa já está baixando a taxa de juros, deixando o BCE com menos poder de fogo do que o normal e aumentando o risco de que ele perca por mais vezes seu objetivo de inflação, disse Praet em Madri.

O BCE ficou abaixo de sua meta nos últimos cinco anos e a inflação não deve atingir o objetivo do banco de quase 2 por cento antes do final da década, sugerindo que a política monetária pode ter perdido parte de sua potência mesmo quando o banco central usou poder de fogo sem precedentes para estimular a economia.

"Devemos ser cautelosos em colocar permanentemente uma grande carga sobre os bancos centrais para implantar ferramentas para combater problemas que são causados ​​por ineficiências econômicas e financeiras estruturais", disse Praet.

Embora as ferramentas não convencionais tenham sido eficazes por enquanto, argumentou Praet, a taxa de juros neutra, frequentemente chamada de taxa de equilíbrio, caiu acentuadamente à medida que o envelhecimento da população aumentou a poupança, diminuiu o crescimento da produtividade e elevou o número de aposentados em relação aos trabalhadores ativos.

"As recessões podem durar mais tempo, e as recuperações podem ser mais lentas e mais rasas, com um risco maior de não atingir a meta", disse Praet, referindo-se ao impacto das baixas taxas de juros de equilíbrio na política do BCE.

Praet acrescentou que as possíveis soluções podem incluir o aumento da idade de aposentadoria e políticas que incentivem a participação da força de trabalho, por exemplo, através do aumento da mobilidade de trabalho ou treinamento de habilidades mais efetivas.

Ele também pediu políticas para reavivar o crescimento da produtividade, particularmente na disseminação de medidas de aumento de produtividade através das fronteiras e para todos os cantos do bloco monetário.