ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

FMI critica eficácia de investimento público no Brasil, sugere Orçamento mais flexível e meta para dívida

Por Marcela Ayres

30/11/2018 15h05

BRASÍLIA (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) avaliou em relatório que a gestão do investimento público no Brasil é díspare, com eficácia fraca em diversas áreas, recomendando uma série de medidas para melhorar o quadro, entre elas o aumento da flexibilidade orçamentária e adoção de uma meta formal de endividamento.

"As áreas que apresentam deficiências mais significativas são as de priorização estratégica dos investimentos e avaliação e seleção de projetos. Existe carência de orientação do alto escalão quanto às prioridades, e fraca coordenação entre os níveis de governo. Não há diretrizes centrais sobre seleção e avaliação de projetos", apontou o documento, publicado nesta sexta-feira (30).

Leia também:

"Frequentemente, essas deficiências resultam em projetos de baixa qualidade, o que afeta sua implementação. Isso, juntamente com a carência de capacidade em nível subnacional e em alguns ministérios executores, gestão deficiente de projetos e financiamento incerto, contribui para a má execução dos projetos, excesso de custos, atrasos e infraestrutura de baixa qualidade", completou o FMI.

Após o diagnóstico, o órgão fez  dez recomendações ao país para endereçar os problemas, dentre as quais sete que considerou de "alta prioridade".

Integram este grupo medidas como o início de uma revisão das despesas obrigatórias e práticas de indexação e a implementação de uma meta interna de endividamento na declaração de estratégia fiscal do governo.

Na véspera, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a manutenção do teto de gastos e afirmou que a nova administração irá propor, se for necessário, uma ampla desvinculação de receitas do Orçamento e uma desindexação de gastos com o objetivo de assegurar o cumprimento da regra, que limita o crescimento dos gastos públicos.

O FMI também sugeriu o desenvolvimento de uma carteira de projetos de alta qualidade, classificados por ordem de prioridade, com racionalização dos projetos atuais para concentração do foco nos que forem considerados principais.

O documento também propôs o aumento da previsibilidade do financiamento dos projetos de capital de grande porte e a limitação de emendas parlamentares sobre investimentos a programas e iniciativas já existentes.

"Possivelmente o investimento público da União vai terminar o ano em 0,7% do PIB (Produto Interno Bruto), que é a metade do que era há quatro anos. Se não fizermos ajuste fiscal, se não fizermos a reforma da Previdência, a tendência é o investimento público cair ainda mais", reconheceu o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, ao participar da abertura de evento sobre o relatório do FMI.

Segundo o documento, o investimento público no país foi em média de 2% do PIB entre 1995 e 2015, bem abaixo da média de 5,5% nos vizinhos da América Latina e de 6,4% nas economias emergentes.

"Nosso investimento é muito mal planejado, muito mal avaliado e muito mal executado", disse Mansueto, criticando projetos para implementação de um trem-bala no Brasil e a execução de reformas vultosas em estádios localizados em cidades sem times de futebol de peso.

O que o PIB tem a ver com a sua vida?

UOL Notícias

Mais Economia