Topo

Reforma de militares será enviada em 30 dias, elevará tempo de contribuição e alíquotas

Ricardo Brito e Marcela Ayres

2019-02-20T10:19:43

2019-03-20T18:27:43

20/02/2019 10h19Atualizada em 20/03/2019 18h27

BRASÍLIA (Reuters) - O projeto com as mudanças na aposentadoria dos militares não foi apresentado nesta quarta-feira juntamente com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência, mas deverá ser enviado ao Congresso em 30 dias, com aperto no tempo de contribuição e na cobrança de alíquotas.

Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, o envio do texto para os militares se dará em 20 de março, data que foi acertada após definição do presidente Jair Bolsonaro "com todo o Estado Maior e com a Economia".

Marinho adiantou que o projeto de lei irá aumentar o tempo de contribuição dos militares de 30 para 35 anos. Já a alíquota de contribuição subirá de 7,5% para 10,5%

Em outra frente, as pensões de militares serão objeto de retenção previdenciária. Hoje elas não pagam nada. Com o projeto, passarão a arcar com uma alíquota de 10,5%.

Apesar de jogar para frente a apresentação do projeto, o governo já calculou que haverá uma economia de R$ 92,3 bilhões em 10 anos com o texto.

No mesmo prazo, a expectativa é de um impacto fiscal positivo de R$ 1,072 trilhão com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que mexe nas regras de Previdência para trabalhadores do setor privado e para servidores públicos civis.

Marinho estimou que o projeto específico para os militares deverá ser votado em meio à tramitação da PEC. Para a proposta geral, a expectativa é que ela tenha sua apreciação concluída no Congresso até o recesso parlamentar de julho.

"Estou muito otimista e qualquer que seja o problema político que exista de forma circunstancial isso vai convergir para que tenhamos foco no que interessa, que é a Previdência", defendeu Marinho, ao ser questionado sobre a viabilidade desse prazo diante dos percalços já enfrentados pelo governo Bolsonaro em votações na Câmara dos Deputados na véspera.

Falando mais cedo no Congresso Nacional, o secretário explicou que a proposta sobre a aposentadoria dos militares buscará compatibilizar cinco leis em uma única e que, por se tratar de legislação ordinária, o texto não exigirá os votos de 308 deputados e 49 senadores necessários para aprovar a PEC da Previdência.

Marinho também defendeu a PEC entregue por Bolsonaro nesta quarta e afirmou que ela ataca a questão fiscal e os privilégios.

"Esse sistema ruiu e ele é absolutamente insustentável. Ele é injusto porque poucos ganham muito e muitos ganham pouco", disse o secretário.

Mais Economia