PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Justiça Federal de São Paulo condena Paulo Preto a 27 anos em caso do rodoanel

28/02/2019 20h54

SÃO PAULO (Reuters) - A juíza Maria Isabel do Prado, da 5ª Vara Federal Criminal em São Paulo, condenou nesta quinta-feira o ex-diretor da Dersa Paulo Viera de Souza, conhecido como Paulo Preto, a 27 anos e oito dias de prisão pela participação na formação de uma cartel para a construção do trecho sul do Rodoanel, que interliga as principais rodovias da região metropolitana da capital paulista.

Souza, que já havia sido preso no ano passado e foi preso novamente na semana passada, na 60ª operação da Lava Jato, é apontado como operador financeiro do PSDB.

O esquema objeto da denúncia que levou à condenação nesta quinta-feira seria baseado num conluio entre construtoras que, a partir de 2004, atuaram para eliminar a concorrência e coordenar a definição dos preços de execução dos serviços.

Segundo nota do Ministério Público Federal, o processo, que inclui além de Souza mais 32 réus, "foi desmembrado em 8 ações penais a pedido do MPF, para garantir maior celeridade à tramitação".

Além desse processo, informa o MPF, Souza também responde a outra ação na Justiça Federal de São Paulo, acusado de desvios de recursos que deveriam ser aplicados na indenização de moradores impactados pelas obras entorno do trecho sul do Rodoanel e da ampliação da avenida Jacu Pêssego.

O ex-diretor da Dersa (estatal paulista de rodovias) tem negado as acusações.

(Por Alexandre Caverni)