Topo

Entregas da aeronave 737 MAX da Boeing são congeladas após acidente na Etiópia

Conor Humphries e Eric M. Johnson

2019-03-14T10:53:41

14/03/2019 10h53

DUBLIN/SEATTLE (Reuters) - As entregas da aeronave mais vendida da Boeing, o 737 MAX, foram efetivamente congeladas ontem, embora a produção continue, depois que os Estados Unidos se juntou a outros países suspendendo as atividades do modelo em razão de preocupações de segurança, afirmaram fontes da indústria.

O 737 MAX está proibido de voar na maioria dos países em todo o mundo após um acidente da Ethiopian Airlines no domingo, que matou todas as 157 pessoas a bordo. Foi o segundo incidente mortal em cinco meses para o modelo relativamente novo da Boeing.

Companhias aéreas, especialistas da indústria aeronáutica e financistas disseram que, embora a proibição teoricamente não impeça algumas entregas domésticas, a maioria das companhias aéreas evitará que uma aeronave banida esteja em atividade após dois acidentes em cinco meses.

A Boeing produz 52 aeronaves por mês e sua versão mais recente, a MAX, representa a maior parte da produção, mas a Boeing se recusou a divulgar números exatos.

A Boeing deve continuar com a produção do 737 em sua fábrica nos arredores de Seattle, e planeja acelerar a produção novamente em junho.

Os fabricantes evitam parar e, em seguida, acelerar a produção, pois isso perturba as cadeias de suprimento e pode causar problemas industriais. Mas ter que manter aviões armazenados consome dinheiro extra no aumento do estoque.

Cada mês em solo poderia custar à Boeing cerca de 1,8 bilhão a 2,5 bilhões de dólares em receita atrasada, segundo estimativas de analistas, embora isso possa ser recuperado assim que a proibição for suspensa e os aviões forem entregues.

Perguntado sobre como a permanência em solo global do 737 MAX afetaria as entregas, um porta-voz da Boeing disse: "continuamos a avaliar".

Mais Economia