Topo

Produtora de alumínio Hydro é atingida por ciberataque e fecha algumas unidades

Gwladys Fouche e Terje Solsvik

2019-03-19T09:13:29

19/03/2019 09h13

OSLO (Reuters) - A Norsk Hydro, uma das maiores produtoras da alumínio do mundo, tem lutado hoje para conter um ciberataque que atingiu parte de sua produção, o que derrubou as ações da empresa e elevou as cotações do alumínio.

A companhia fechou diversas plantas de extrusão de metal, que transformam lingotes de alumínio em componentes para montadoras de carros, construtoras e outras indústrias, enquanto suas enormes fundições em países incluindo Noruega, Catar e Brasil estão sendo operadas manualmente.

O ataque, que começou na noite de segunda-feira e ganhou intensidade ao longo da madrugada, afetou os sistemas de tecnologia da informação da empresa para a maior parte de suas atividades.

"A Hydro está trabalhando para conter e neutralizar o ataque, mas ainda não sabe qual foi o alcance total da situação", disse a companhia em comunicado.

Ela acrescentou que o ataque não afetou a segurança de seus funcionários e que ainda era cedo para avaliar impactos a clientes.

As notícias sobre o ataque levaram os preços do alumínio a subirem 1,2%, para uma máxima de três meses de US$ 1.944 no início das negociações na Bolsa de metais de Londres. As cotações posteriormente devolveram parte dos ganhos.

O principal site da Hydro estava indisponível nesta terça-feira, embora algumas páginas de subsidiárias ainda pudessem ser acessadas. A empresa tem dado atualizações sobre a situação por meio do Facebook.

"A principal prioridade da Hydro agora é limitar os efeitos do ataque e assegurar que as pessoas continuem seguras", escreveu a empresa em um post no Facebook.

As ações da Hydro caíram 3,4% no início das negociações em Oslo, mas depois reduziram perdas para cerca de 0,6%.

A Hydro tem 36 mil empregados em 40 países. A empresa teve US$ 18,7 bilhões em vendas no ano passado.

(Reportagem adicional de Nerijus Adomaitis em Oslo e Jack Stubbs e Barbara Lewis em Londres)

Mais Economia