Topo

Programa de crédito do BNDES a caminhoneiros está parado

Rodrigo Viga Gaier

23/07/2019 16h47

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um programa de crédito criado pelo BNDES em meio a um pacote de medidas do governo de Jair Bolsonaro para acalmar ameaças de greve de caminhoneiros está praticamente parado, segundo informações apuradas pela Reuters e confirmadas pela instituição de fomento.

O programa BNDES Crédito Caminhoneiro, voltado à concessão de empréstimos para manutenção de caminhões e lançado em abril, realizou até agora apenas uma operação de R$ 20 mil, apesar da dotação orçamentária de R$ 500 milhões.

Procurado pela Reuters, o BNDES informou que a linha de crédito está em operação desde 27 de maio e tem prazo até 26 de maio de 2020.

"O banco tem recebido informações dos clientes sobre a dificuldade de acesso à linha e, por essa razão, está em contato com os agentes financeiros para entender dificuldades e o que pode ser feito para atender melhor ao público final", afirmou o BNDES em comunicado.

A única linha de crédito concedida pelo BNDES no âmbito do programa foi para a Agência de Fomento do Paraná, que tinha como objetivo o repasse dos recursos, segundo o banco.

O repasse de recursos da linha, de até 30 mil por caminhoneiro, é feito por agentes parceiros do BNDES, como bancos de varejo. Ao todo, 46 instituições financeiras são parceiras do banco no programa.

O limite de crédito por caminhoneiro tem sido uma das reclamações dos motoristas. O ex-presidente do BNDES Joaquim Levy chegou a cogitar a possibilidade de ampliar o orçamento do programa para R$ 1 bilhão se houvesse demanda.

"São vários os motivos para o programa não ter praticamente saído do papel", disse José Roberto Stringasci, diretor da Associação Nacional de Transporte no Brasil (ANTB).

"A economia está parada, e só agora a safra de grãos começou a circular. Os caminhoneiros também estão muito endividados e têm que resolver isso. O programa do BNDES também é caro, e os caminhoneiros que foram nos bancos ouviram que é mais barato contratar um crédito direto e particular. O limite de R$ 30 mil por operação também é baixo porque só um pneu de um caminhão custa R$ 2.000, e tem caminhão rodando com vários eixos", acrescentou.

O programa foi lançado junto com uma promessa do governo de investimento de R$ 2 bilhões, incluindo na conclusão de obras e manutenção de rodovias e eixos viários importantes. Na ocasião, entidades que representam os caminhoneiros autônomos criticaram as medidas ao afirmarem que não resolvem a principal demanda da categoria: o estabelecimento do piso mínimo de fretes e seu cumprimento pelos contratantes de transporte de carga.

Veja dicas para economizar combustível no seu carro

UOL Carros

Mais Economia