IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Companhias chinesas suspenderam compras de produtos agrícolas dos EUA

Hallie Gu e Tom Daly

05/08/2019 16h08

PEQUIM, 5 Ago (Reuters) - O Ministério de Comércio da China informou nesta segunda-feira que companhias chinesas pararam de comprar produtos agrícolas dos Estados Unidos, e que a China não descarta impor tarifas a esses bens norte-americanos comprados após 3 de agosto.

O movimento representa o último de uma escalada na guerra comercial entre EUA e China, e vem depois de o país asiático permitir que o yuan enfraquecesse e rompesse o nível chave de 7 por dólar pela primeira vez em mais de uma década.

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou na quinta-feira que Pequim não cumpriu sua promessa de adquirir grandes volumes de produtos agrícolas dos EUA, prometendo impor novas tarifas em cerca de 300 bilhões de dólares em bens chineses e encerrando abruptamente uma trégua na guerra comercial sino-americana.

Mais cedo, a emissora de televisão estatal da China, CCTV, reportou que uma autoridade da Comissão de Desenvolvimento e Reforma Nacional da China (NDRC, na sigla em inglês) teria dito que as acusações de Trump eram "infundadas".

A China é a maior compradora mundial de soja, cultivo de exportação de maior valor dos EUA. O governo Trump já divulgou planos de gastar até 28 bilhões de dólares para compensar agricultores norte-americanos, importante setor de apoio eleitoral a Trump, pela receita perdida devido às disputas comerciais.

"As empresas chinesas relacionadas suspenderam compras de produtos agrícolas norte-americanos", disse o ministério em um comunicado publicado em seu website logo após a meia-noite em Pequim, já na terça-feira.

A pasta não divulgou o valor das importações agrícolas provenientes dos EUA que podem estar sujeitas às novas tarifas.

O órgão afirmou que espera que os EUA mantenham sua promessa e criem as "condições necessárias" para cooperação bilateral.

A China adquiriu 130 mil toneladas de soja, 120 mil toneladas de sorgo, 60 mil toneladas de trigo, 40 mil toneladas de carne suína e 25 mil toneladas de algodão dos EUA entre 19 de julho e 2 de agosto, segundo a autoridade do NDRC.

De acordo com a CCTV, o secretário-geral do NDRC, Cong Liang, afirmou que a China está honrando os acordos assinados anteriormente para a importação de soja dos EUA, notando que 2,27 milhões de toneladas da oleaginosa norte-americana foram embarcadas para a China em julho, desde que Trump se reuniu com o presidente chinês, Xi Jinping, durante a cúpula do G20, ocorrida no final de junho em Osaka, no Japão.

Dados semanais divulgados pelos EUA confirmaram em 1º de agosto a primeira nova venda de soja do país para a China desde junho, de 68 mil toneladas da safra que será colhida neste outono (do Hemisfério Norte). Vendas adicionais até 1º de agosto poderão ser registradas no próximo relatório governamental de exportações, previsto para quinta-feira.

Dois milhões de toneladas de soja dos EUA com destino à China serão carregadas em agosto, seguidas por outras 300 mil toneladas em setembro, disse Cong.

Entretanto, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) afirmou na segunda-feira que menos de 600 mil toneladas de soja foram inspecionadas para exportação à China na semana finalizada em 1º de agosto, menos que na semana anterior.

Em email em resposta ao comunicado do Ministério de Comércio chinês, o Conselho Nacional de Produtores de Porcos dos EUA reiterou a importância de se encerrar a disputa comercial com a China, para que os produtores de suínos norte-americanos possam voltar a ter um acesso competitivo.

A quantidade de produtos agrícolas dos EUA comprados pela China tem sido um ponto sensível na disputa comercial. Outras questões incluem a proteção de propriedade intelectual na China e as exportações chinesas de fentanil e substâncias relacionadas ao fentanil, que autoridades norte-americanas dizem ser o principal ingrediente de uma droga com a qual mortes por overdose de opioides estão relacionadas.

Será que a China é mesmo um país comunista?

UOL Notícias

Mais Economia