PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Ibovespa tem novo recorde de fechamento com mercado otimista para 2020

Com novo recorde, Bolsa brasileira descolou relativamente de bolsas no exterior, com o tom negativo prevalecendo na Europa - Cris Fraga/Estadão Conteúdo
Com novo recorde, Bolsa brasileira descolou relativamente de bolsas no exterior, com o tom negativo prevalecendo na Europa Imagem: Cris Fraga/Estadão Conteúdo

17/12/2019 18h47

SÃO PAULO, 17 Dez (Reuters) - O Ibovespa marcou nova máxima de fechamento, com B3 entre os destaques positivos, em meio a previsões de recorde em captação com ofertas de ações em 2020 e com a recuperação de ações de bancos e da Petrobras tendo participação relevante.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,64%, a 112.615,66 pontos, maior patamar para fechamento. O recorde intradia é da véspera, em 113.196,83 pontos. O giro financeiro alcançou 19,75 bilhões de reais.

Na véspera de vencimento de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro, a Bolsa brasileira descolou relativamente de bolsas no exterior, com o tom negativo prevalecendo na Europa, enquanto Wall Street mostrou variações pequenas perto de níveis recordes.

Perspectivas para o Brasil em 2020 têm corroborado apostas otimistas para o mercado acionário e evitado movimentos fortes na realização de lucros. O ano caminha para fechar com ganho de cerca de 30%, que será o quarto ano seguido de valorização, mas estrategistas avaliam que há mais espaço para subir.

A equipe do BTG Pactual comandada por Carlos Sequeira estima que o Ibovespa alcançará 134 mil pontos em 2020, em um cenário que contempla crescimento sustentado de 2% do PIB e taxas de juros reais de longo prazo no patamar de 3%, entre.

Para a equipe do Bradesco BBI liderada por Andre Carvalho, o Ibovespa pode alcançar 139 mil pontos, dada a combinação de crescimento sólido dos lucros e migração de recursos para ações com aceleração da atividade, reformas e privatizações.

Destaques

  • B3 (B3SA3) teve alta de 3,4%, reagindo após queda de 5,5% na semana passada. O presidente-executivo da B3, Gilson Finkelsztain, disse a jornalistas que o mercado doméstico de ofertas de ações deve atingir volume financeiro recorde em 2020, em meio a desinvestimentos do BNDES, listagens de unidades da Caixa Econômica e de várias empresas privadas.
  • Bradesco (BBDC4) subiu 1,84% e Itaú Unibanco (ITUB4) avançou 1,52%, após perdas na véspera com ruídos envolvendo a CPMF, depois abafados. Banco do Brasil (BBAS3) fechou com elevação de 2,26%, após novo acordo com os Correios.
  • Petrobras (PETR4) valorizou-se 1,5%, favorecida pela alta dos preços do petróleo, após forte queda nos dois pregões anteriores (de 5% no total) na esteira de anúncio do braço de investimentos do BNDES de que tem intenção de vender sua participação na petrolífera.