PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Petrobras reduz preço da gasolina em 8% na refinaria; no ano, recuo é de mais de 50%

Funcionários em plataforma da Petrobras no campo de Lula, litorial do Rio de Janeiro - Sergio Moraes
Funcionários em plataforma da Petrobras no campo de Lula, litorial do Rio de Janeiro Imagem: Sergio Moraes

20/04/2020 12h27

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras reduzirá o preço médio da gasolina em 8% e o do diesel em 4% nas refinarias a partir de terça-feira, com a petroleira brasileira reagindo aos baixos preços do petróleo e aos impactos do coronavírus na demanda por combustíveis.

No acumulado do ano, a petroleira já reduziu em mais de 50% o valor médio da gasolina nas refinarias, para cerca de 0,91 real por litro. O diesel, por sua vez, acumula queda de quase 40%.

Os novos cortes ocorrem diante de uma persistente queda nos preços do petróleo e de seus derivados no mercado internacional, por impactos do novo coronavírus sobre a economia global.

Nesta segunda-feira, as cotações do barril nos Estados Unidos atingiram o menor valor da história, tendo registrado mínima de 4,04 dólares.

A decisão da Petrobras por novos cortes ocorre ainda após uma queda neste ano de cerca de 60% do preço do petróleo Brent, referência internacional, que era negociado a 26,40 dólares, no início da tarde no Brasil.

Acordo recente entre grandes países produtores para um corte histórico de oferta ainda é visto como insuficiente para eliminar preocupações relacionadas à destruição de demanda causada pela pandemia.

Enquanto isso, nos postos de combustíveis, a gasolina havia acumulado queda de 10,16% neste ano até a semana passada, enquanto o diesel caído 12,2%, segundo os dados mais recentes publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Vale lembrar que o repasse de ajustes dos combustíveis nas refinarias para o consumidor final nos postos não é imediato e depende de diversos fatores, como consumo de estoques, impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis.

(Por Marta Nogueira)