PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Mercado do petróleo respondeu bem a cortes de produção da Opep+, diz secretário-geral

20/05/2020 15h26

Por Alex Lawler

LONDRES (Reuters) - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se sente estimulada por um rali nos preços da commodity e pela forte adesão ao seu mais recente acordo para cortes de produção, disse o secretário-geral do grupo, embora fontes afirmem que novas medidas de apoio ao mercado não estão descartadas.

A Opep, a Rússia e outros aliados, que formam um grupo conhecido como Opep+, estão promovendo um corte recorde de bombeamento de 9,7 milhões de barris por dia (bpd) desde 1º de maio, visando compensar as fortes queda nos preços e na demanda por petróleo devido à pandemia de coronavírus.

As cotações do petróleo Brent mais que dobraram desde a mínima de 21 anos registrada em abril, quando o barril chegou a ser negociado a 16 dólares. Até este momento de maio, a Opep+ reduziu exportações do combustível fóssil em cerca de 6 milhões de bpd, segundo duas empresas que monitoram os fluxos, sugerindo um início forte no cumprimento ao acordo.

"Os mercados do petróleo responderam bem ao acordo histórico, bem como à sua robusta implementação pelos países participantes", disse o secretário-geral da Opep, Mohammad Barkindo, à Reuters.

"No fim das contas, há convergência gradual, mas estável, dos fundamentos de oferta e demanda."

Um delegado da Opep, que pediu para não ser identificado, também foi otimista --embora os preços continuem muito abaixo do orçamento necessário por muitos países, mesmo com o rali.

"Esse é um bom sinal para os preços", disse o delegado, referindo-se à queda nas exportações. "Estamos seguros, mas precisamos de mais tempo para ter certeza -- talvez até julho ou agosto."

A Opep+ se reúne virtualmente em 10 de junho, quando já terá os dados completos do mês de maio sobre a adesão ao acordo, para revisar o pacto.

Fontes afirmaram que a Opep+ pode manter o atual nível de redução de oferta mesmo depois de junho, em vez de diminuir os cortes a partir de julho, como o atual acordo prevê.

"Há boas indicações sobre a conformidade (com o pacto), e vimos os preços melhorando recentemente", disse um outro delegado da Opep. "Mas o mercado continua volátil, vamos aguardar."

Economia