PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Com margem recorde, safra de soja do país 20/21 pode atingir 130,8 mi t, diz Céleres

23/07/2020 16h20

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - O plantio de soja do Brasil em 2020/21 foi estimado nesta quinta-feira em 38,2 milhões de hectares, alta de 1,3 milhão de hectares na comparação com a temporada anterior, com produtores impulsionados por margens operacionais recordes, apontou a consultoria Céleres em nota.

Com essa área, o maior produtor e exportador global da oleaginosa tem potencial de colher históricas 130,8 milhões de toneladas, superando as 124,8 milhões de toneladas projetadas pela consultoria para 2019/20, ano em que as lavouras do Rio Grande do Sul foram severamente afetadas por uma seca.

A Céleres estimou a margem operacional da soja do Brasil em 2020/21 em 2,78 mil reais/ha, ante 1,47 mil reais/ha na temporada anterior.

O aumento do plantio, que começa em meados de setembro, é "reflexo do baixíssimo estoque de passagem da safra 2019/20, da expectativa de exportações e demanda interna aquecidas em 2021, além da margem operacional e índice de comercialização da safra nova em patamares recordes", disse a consultoria.

A Céleres estima que o Brasil fechará o ano com embarques de 77,5 milhões de toneladas e um estoque final inferior a 1 milhão de toneladas.

Considerando a estimativa da Céleres e dados sobre os embarques no ano até julho, o Brasil teria exportações de cerca de 7 milhões de toneladas de agosto a dezembro.

As vendas externas de soja do Brasil foram recordes no primeiro semestre do ano, com a China comprando a oleaginosa para reconstruir estoques e um câmbio favorável a vendas brasileiras.

O produtor aproveitou o bom momento, com um dólar acima de 5 reais, para negociar rapidamente sua produção, que registrou um ritmo de comercialização nunca visto.

Em julho, produtores tinham vendido 46% da safra que será plantada em setembro. Já a safra velha (2019/20) está praticamente toda comercializada (98,4%), também acima da média de cinco anos para o período.

Neste cenário, produtores atipicamente já começaram a comprar fertilizantes para a safra 2021/22, que será plantada somente no meio do segundo semestre do ano que vem.

MILHO TAMBÉM EM ALTA

A consultoria também apontou margem operacional maior para o milho do Brasil, o que deve impulsionar o plantio do cereal na nova temporada.

Com isso, avalia que o plantio de milho segundo safra (a principal colheita do país) avançará quase 1 milhão de hectares, enquanto a primeira terá aumento de 500 mil hectares, permitindo que o Brasil plante ao todo 19,5 milhões de hectares com a cultura.

A Céleres estima que a margem operacional do milho primeira safra atingirá 3,9 mil reais/ha em 2020/21, ante 3,18 mil reais /ha em 2019/20, o que fará o plantio crescer apesar de um aumento da soja, que disputa área com o cereal.

Dessa forma, a produção brasileira de milho em 2020/21 tem potencial de atingir um recorde de 111,5 milhões de toneladas, versus 101,7 milhões em 2019/20, quando as lavouras sofreram um estresse climático no Sul.

(Por Roberto Samora)