PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Incêndios no Pantanal ameaçam espécies em extinção e rodovia

18/08/2020 16h09

Por Jake Spring

BRASÍLIA (Reuters) - As chamas estão se alastrando pelo Pantanal, aproximando-se da maior rodovia da região e pondo em risco espécies ameaçadas de extinção agora que a área está registrando os maiores incêndios em 15 anos para o mês de agosto até agora.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 3.121 incêndios nos primeiros 15 dias deste mês, quase cinco vezes mais do que no mesmo período do ano passado. No ritmo atual, as chamas podem se aproximar do recorde histórico para qualquer mês desde que os registros começaram, em 1998.

"É extremamente difícil combater, controlar e combater um incêndio com as dimensões que este aqui tem no Pantanal", disse o coronel dos bombeiros Paulo Barroso, secretário-executivo do Comitê do Fogo do governo estadual do Mato Grosso.

Os bombeiros da área trabalhavam para umedecer a terra fumegante, enquanto nuvens de fumaça alcançavam centenas de metros de altura nos arredores da rodovia Transpantaneira, a principal da região.

Aproximadamente 8.500 quilômetros quadrados, ou quase 6% do Pantanal, já pegaram fogo entre janeiro e julho, de acordo com dados do governo.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobrevoou áreas afetadas pelos incêndios nesta terça-feira, e reconheceu o desafio enfrentado pelas autoridades para combater as chamas.

"Ficou claro para nós o desafio que está, realmente, o combate às queimadas aqui no Pantanal. O ambiente muito quente, muito seco, com ventos fortíssimos e temperatura alta. Nós encontramos vários pontos, centenas de pontos de queimadas ao longo da viagem, ao longo do dia", disse Salles após a visita, de acordo com áudio divulgado por sua assessoria.

"Locais onde os aviões e brigadistas têm dado combate direto ao fogo, ininterruptamente, mas ainda sim esse fogo vem causando danos à fauna, à flora, enfim, à nossa região do Pantanal."

O Pantanal é uma das regiões de maior biodiversidade do planeta, contendo mais de 4.700 espécies de plantas e animais, entre elas algumas ameaçadas de extinção, como a onça, segundo o grupo ambientalista WWF.

A maior parte do amplo santuário da arara-azul-grande foi consumida pelas chamas neste ano, de acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo.

A região sofreu com chuvas menores do que a média e temperaturas mais altas do que a média nos últimos 30 dias, segundo dados da provedora de informações Refinitiv.

Os incêndios do Pantanal acontecem em meio a uma preocupação crescente com os incêndios na Amazônia, sua vizinha muito maior do norte do Brasil. Chamas surgiram na Amazônia nos primeiros dias de agosto, mas diminuíram 17% entre 1 e 15 de agosto na comparação com o mesmo período do ano passado.

(Reportagem adicional de Sebastian Rocandio e Leandra Camera, no Rio de Janeiro)