PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Localiza tem lucro de R$ 325,5 mi no 3º tri

Localiza (RENT3)  -
Localiza (RENT3)

Alberto Alerigi Jr.

Da Reuters, em São Paulo

27/10/2020 19h14

A Localiza teve alta de quase 60% no lucro líquido do terceiro trimestre ante mesmo período de 2019, impulsionado por uma retomada de negócios nas divisões de aluguel de veículos e de venda de seminovos.

A Localiza teve lucro líquido de R$ 325,5 milhões de julho e setembro. Segundo dados da Refinitiv, a expectativa média de analistas era de lucro de R$ 130,5 milhões.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 18,9%, a R$ 648 milhões. A previsão média de analistas era de R$ 472,7 milhões. Não ficou claro de imediato se os dados são comparáveis.

"A diária média [de aluguel de carros], que havia sido bastante impactada no segundo trimestre, se recuperou gradualmente ao longo do terceiro trimestre, atingindo uma média de R$ 66,8, resultando em receita líquida praticamente estável em comparação ao terceiro trimestre do ano passado", afirmou a Localiza no relatório.

Segundo a empresa, em setembro o volume de carros alugados foi de 152 mil, próximo do nível do primeiro trimestre de 2020.

Em seminovos, a Localiza registrou retomada de volumes pré-pandemia, com 45,5 mil carros vendidos e "gradual aumento de preço ao longo do trimestre". O volume vendido foi 23,7% maior do que no terceiro trimestre de 2019, segundo o balanço.

A depreciação por carro da Localiza na divisão de aluguel de carros fechou o trimestre em R$ 1.271, queda de 51,8% na comparação com o segundo trimestre, apoiada no aumento do preço médio de venda e maior volume vendido. Já na área de gestão de frotas, a depreciação subiu de 2.092 para R$ 2.312.

A Localiza, que em setembro anunciou acordo para comprar a rival Unidas, terminou setembro com relação dívida líquida sobre Ebitda de 2,7 vezes. A dívida líquida era de R$ 6,16 bilhões e o caixa estava em R$ 4,4 bilhões.

A companhia também anunciou ampliação de programa de recompra de debêntures, de R$ 500 milhões para R$ 1,3 bilhão.