PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Bandeira vermelha pressionará inflação, mas tendência é de volta à normalidade, diz Funchal

03/12/2020 19h27

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, afirmou nesta quinta-feira que a bandeira vermelha para a energia elétrica irá contribuir para o aumento da inflação, mas destacou que a tendência é que o IPCA volte para a meta e para a "normalidade".

Ao participar do evento Vitória Summit, promovido pela Rede Gazeta-ES, ele avaliou que, com a pandemia, o padrão de consumo das pessoas mudou, com migração para consumo e redução em serviços. Isso causou repique de inflação em algumas áreas e setores.

Na visão de Funchal, a própria retomada econômica também pegou muitos setores desprevenidos.

"Muitas dessas situações vão se acomodando nas próximas semanas", disse. "A inflação eu imagino que esteja nessa linha. Mesma coisa em relação ao desabastecimento."

Sobre a alta de preços na economia, Funchal afirmou que os apontamentos do Banco Central mostram que a tendência é que ela seja revertida para meta.

"Claro que teve mais um ponto que vai contribuir para o aumento da inflação, que é questão da energia, da bandeira vermelha, mas a tendência é voltar pra normalidade", disse.

REFORMAS

Após o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter dito mais cedo que a reforma tributária estava interrompida no Congresso por "desentendimento político", Funchal indicou que a tramitação do texto deve ficar para 2021.

"Para o ano que vem a reforma tributária é importante, acho que seria o maior choque de produtividade na economia brasileira", disse ele, acrescentando que a agenda do governo é correta e que o esforço é fazê-la andar mais rápido.

O secretário do Tesouro voltou a frisar a necessidade de o país voltar à trajetória de consolidação fiscal com a realização de reformas, após gastos de peso neste ano com o enfrentamento da pandemia de coronavírus terem levado a um salto na dívida pública.

"Além desses 800 bilhões de reais que são quase 12% do PIB de déficit (neste ano), por conta desse aumento da dívida a gente vai gastar mais ou menos só de juros pelos próximos 10 anos 260 bilhões de reais", afirmou.