PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Shell desenvolve projetos de energia solar na Paraíba

20/01/2021 19h07

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A petroleira anglo-holandesa Shell está desenvolvendo projetos de geração de energia solar no interior da Paraíba, que se somariam a um portfólio de empreendimentos que a companhia prepara também em Minas Gerais.

A empresa entrou com pedido junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) visando obtenção de outorga para um complexo fotovoltaico que seria construído na cidade de São João do Rio do Peixe, de acordo com publicação no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

O empreendimento, com sete parques, teria uma capacidade instalada de cerca de 323 megawatts, segundo documentos da agência vistos pela Reuters.

O pedido de outorga na Aneel é um dos primeiros passos para a viabilização de um projeto de geração de energia. Não é possível saber, no entanto, quando a Shell pretende implementar o projeto, o que também depende em geral de negociações comerciais.

Procurada, a Shell não respondeu de imediato a um pedido de comentários sobre os empreendimentos.

A petroleira já havia solicitado outorga há pouco mais de um ano para um projeto de geração solar em Minas Gerais com cerca de 130 megawatts em capacidade.

Em junho passado, a gerente de desenvolvimento de negócios em energia solar da Shell na América Latina, Maria Gabriela da Rocha, disse à Reuters que a empresa estava iniciando conversas para a venda da produção futura de projetos solares no Brasil, com o objetivo de tirar do papel suas primeiras usinas.

Na época, ela comentou que a empresa buscava viabilizar centrais de geração solar que poderiam iniciar operações a partir de 2023, a depender do ritmo das negociações.

A movimentação da Shell para desenvolver projetos solares no Brasil ocorre em momento em que diversas petroleiras globais ampliam apostas em ativos de energia renovável para diversificar o portfólio e se preparar para uma esperada transição energética rumo a um maior uso de tecnologias de baixo carbono.

PUBLICIDADE