PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Vendas no varejo dos EUA têm forte recuperação em janeiro em meio a estímulo adicional

17/02/2021 10h46

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos se recuperaram acentuadamente em janeiro, depois que as famílias receberam auxílio adicional do governo devido à pandemia, sugerindo uma retomada da atividade econômica após nova onda de infecções por Covid-19 no final do ano passado.

As vendas no varejo saltaram 5,3% em dado com ajuste sazonal no mês passado, disse o Departamento de Comércio dos EUA nesta quarta-feira. Os dados de dezembro foram revisados para baixo para mostrar que as vendas caíram 1,0%, em vez de 0,7%, conforme divulgado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters previam salto de 1,1% nas vendas no varejo em janeiro.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços alimentícios, as vendas no varejo saltaram 6,0% no mês passado, após queda revisada de 2,4% em dezembro. O chamado núcleo das vendas no varejo corresponde mais de perto ao componente de gastos do consumidor no Produto Interno Bruto. Anteriormente, estimava-se que o núcleo das vendas havia caído 1,9% em dezembro.

O governo aprovou outro pacote de resgate do coronavírus no valor de quase 900 bilhões de dólares no final de dezembro, que incluía cheques de 600 dólares para a maioria dos norte-americanos de baixa renda e alguns de média renda. A maior parte do dinheiro foi desembolsada no início de janeiro, o que sustentou gastos não essenciais no mês passado.

O modelo usado pelo governo para eliminar as flutuações sazonais dos dados normalmente antecipa uma queda maior nas vendas no varejo pós-temporada de festas em janeiro. Economistas acreditam que a queda foi menor do que o modelo esperava, levando a um grande aumento nas vendas no varejo com ajuste sazonal.

Mais ganhos nas vendas devem vir nos próximos meses. O Congresso dos EUA está discutido o plano de recuperação de 1,9 trilhão de dólares do presidente Joe Biden, que incluirá cheques adicionais de 1.400 dólares para as famílias. O enorme estímulo fiscal deve elevar os gastos dos consumidores neste trimestre e impulsionar o crescimento econômico.

(Por Lucia Mutikani)

PUBLICIDADE