PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

ANÁLISE-Investidor se posiciona vislumbrando redução antecipada de estímulos pelo Fed

27/02/2021 15h02

Por Gertrude Chavez-Dreyfuss

NOVA YORK (Reuters) - Alguns investidores podem estar aumentando apostas de que o Federal Reserve se afastará de uma política monetária ultraestimulativa mais cedo do que a maioria esperava semanas atrás.

Dois importantes indicadores do mercado --aumento dos rendimentos dos títulos protegidos pela inflação (Tips) e futuros de eurodólar-- estão sugerindo que um aperto na política do Fed está se aproximando, em meio a expectativas de uma forte recuperação econômica no segundo semestre e ao ganho de tração na distribuição de vacinas contra a Covid-19.

Mas essas expectativas podem ser prematuras se o número de desempregados nos EUA permanecer teimosamente alto e se a paciência do Fed após a crise financeira global de 2008 for considerada como base.

Os rendimentos do Tips subiram em toda a curva neste ano, do vértice de cinco anos ao de 30. O rendimento dos Tips de 30 anos nos EUA, por exemplo, ficou positivo na semana passada e na quinta-feira atingiu 0,214%, o maior desde março do ano passado. Desde o início de janeiro, esse rendimento aumentou mais de 60 pontos-base.

A taxa dos Tips de dez anos aumentou mais de 40 pontos-base desde o início do ano. Na quinta-feira, atingiu -0,844%, maior patamar desde julho de 2020.

Os Tips são normalmente demandados quando investidores acreditam que uma inflação mais alta está no horizonte, e seus preços aumentaram durante a pandemia. Os rendimentos desses títulos são "reais", ou seja, a taxa de juros dos títulos do Tesouro menos a inflação, e ficaram negativos para todos os vencimentos durante a pandemia.

As chamadas taxas de inflação implícita --indicador das expectativas de inflação que resulta da diferença entre o rendimento do Tips e o retorno nominal dos Treasuries-- também têm aumentado.

"O rendimento mais alto dos Tips sugere que o mercado está um pouco nervoso com um ritmo mais rápido de recuperação econômica e, portanto, uma saída mais rápida do Federal Reserve da acomodação monetária", disse Gennadiy Goldberg, estrategista sênior de taxas de juros da TD Securities, em Nova York.

O chair do Fed, Jerome Powell, no entanto, disse na terça-feira que não está nem perto de apertar a política monetária dos EUA ou reduzir seu programa maciço de compra de títulos para apoiar o mercado.

As taxas de juros permanecerão baixas e os 120 bilhões de dólares em compras mensais de títulos pelo Fed continuarão "pelo menos no ritmo atual até que façamos um progresso substancial em direção aos nossos objetivos... o que realmente não temos feito", disse Powell em um depoimento ao Comitê Bancário do Senado dos EUA.

Analistas disseram, no entanto, que a situação pode ser muito diferente no segundo semestre do ano, quando a distribuição da vacina se tornar mais generalizada e o pacote de estímulo fiscal criar empregos e aumentar os gastos do consumidor.

PUBLICIDADE