PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Febraban recomenda uso de canais digitais, mas bancos não anteciparão feriados

Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central que entrou em funcionamento integral em 16/11 - Tiago Caldas/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central que entrou em funcionamento integral em 16/11 Imagem: Tiago Caldas/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Aluísio Alves

22/03/2021 19h29

A Febraban recomendou nesta segunda-feira que os bancos priorizem o uso de canais digitais para atendimento ao público nos locais onde houver antecipação de feriados, mas não haverá mudança de calendário bancário.

Em comunicado, a entidade afirmou que haverá "em caráter excepcional, atendimento presencial e contingenciado, mediante triagem, controle e adoção de rígidos protocolos sanitários, em especial para os casos de recebimento de benefícios sociais, pagamento de salários, aposentadorias e pensões àqueles que não têm acesso a canais digitais ou remotos".

Mas as datas de vencimento de contas, boletos e tributos serão mantidas.

"Os bancos, por iniciativa própria, não podem alterar essas datas, pois observam as condições contratuais com os emissores dos boletos e as normas de liquidação e compensação de pagamentos do Banco Central", afirmou a Febraban.

O posicionamento vem após a prefeitura de São Paulo decidir antecipar cinco feriados municipais em uma tentativa de reduzir a circulação de pessoas no momento mais crítico da pandemia de Covid-19 no Brasil e, com isso, frear a disseminação do coronavírus, informou o governo paulistano na quinta-feira.

Na última sexta-feira, a B3 havia anunciado a manutenção regular das operações de mercado financeiro.

A prefeitura de São Paulo antecipou dois feriados municipais que a cidade tem ainda neste ano e outros três previstos para 2021 para os dias 26, 29, 30 e 31 e março e para o dia 1 de abril.

E o governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou decreto para antecipar feriados e pontos facultativos para agrupá-los em um período de 10 dias. As medidas entrariam em vigor na sexta-feira para valer até o começo de abril.

PUBLICIDADE