PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Pedidos de auxílio-desemprego caem nos EUA; crescimento no 1º tri fica em 6,4%

27/05/2021 09h52

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu mais do que o esperado na semana passada em meio à queda das dispensas e com as empresas desesperadas por trabalhadores para atender à demanda com a reabertura da economia.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 406 mil em dado ajustado sazonalmente na semana encerrada em 22 de maio, contra 444 mil na semana anterior, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. Foi o menor número desde meados de março e manteve os pedidos abaixo da marca de 500 por três semanas seguidas.

Economistas consultados pela Reuters previam 425 mil novos pedidos na última semana. Embora os pedidos permaneçam bem acima da faixa de 200 mil a 250 mil considerada consistente com um mercado de trabalho saudável, eles caíram ante o recorde de 6,149 milhões no início de abril de 2020.

Relatório separado do Departamento do Comércio divulgado nesta quinta-feira confirmou que o crescimento econômico acelerou no primeiro trimestre, graças ao forte estímulo fiscal.

O Produto Interno Bruto expandiu a uma taxa anualizada de 6,4% no primeiro trimestre, disse o governo em sua segunda estimativa para o período. O dado não foi revisado em relação ao que foi divulgado no mês passado, depois de uma taxa de crescimento de 4,3% no quarto trimestre.

Foi o segundo crescimento mais rápido do PIB desde o terceiro trimestre de 2003.

As restrições relacionadas à pandemia sobre empresas foram revertidas, com mais da metade dos adultos nos EUA totalmente vacinados contra a Covid-19, deixando fábricas, locais de construção, restaurantes e bares, entre muitos outros, buscando trabalhadores.

A escassez de mão-de-obra, apesar de quase 10 milhões de norte-americanos estarem oficialmente desempregados, tem sido atribuída à rede de apoio, fortalecida durante a pandemia pelo governo dos EUA, para proporcionar uma ajuda temporária após a carnificina econômica e humana sem precedentes causada pelo vírus.

Governadores republicanos em pelo menos 23 Estados, incluindo Flórida e Texas, anunciaram que vão encerrar os programas de auxílio a desempregados financiados pelo governo federal no mês que vem, incluindo o subsídio semanal de 300 dólares, que as empresas dizem estar desencorajando os desempregados a procurar trabalho.

Não há, no entanto, consenso de que os generosos benefícios a desempregados estejam mantendo as pessoas em casa.

De acordo com o economista do JPMorgan Daniel Silver, uma análise das taxas de desemprego, crescimento salarial e taxas de participação da força de trabalho nos 23 Estados sugere que o término antecipado dos programas de benefícios é motivado mais pela política do que pela economia.

"Enquanto alguns desses Estados têm mercados de trabalho apertados e forte crescimento da renda, muitos deles não têm", disse Silver. "Portanto, parece que a política, mais do que a economia, está conduzindo as decisões relativas ao fim antecipado desses programas."

Uma pesquisa da Poachedjobs.com, uma comissão nacional de emprego para o setor de restaurantes/hotelaria, revelou que a maioria retornou ao trabalho, com uma carga horária completa de 30 a 40 horas por semana.

Para outros, a incerteza sobre as futuras restrições às refeições em ambientes fechados e os receios de contrair o vírus, estejam eles vacinados ou não, estão mantendo-os afastados.

"Os trabalhadores estão voltando ao trabalho", disse Ashley Lange, gerente de produto associado no Poachedjobs.com. "Está acontecendo em um ritmo mais lento do que a criação de empregos em restaurantes, mas esta é uma dor crescente para milhões de restaurantes reabertos ao mesmo tempo."

A escassez de mão de obra é responsável pela modesta criação de 266.000 novos postos de trabalho em abril, uma desaceleração em relação aos 770.000 adicionados em março. Economistas esperam que o término antecipado dos benefícios a desempregados, financiados pelo governo, e a ampliação do reengajamento econômico diminuam ainda mais as reivindicações e a fila de desempregados nos próximos meses.

Além do alívio da pandemia nos EUA, a atividade econômica também vem sendo alimentada por quase 6 trilhões de dólares em ajuda fornecida pelo governo no ano passado.