PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

É importante que soluções para precatórios andem em paralelo, diz secretário do Tesouro

Secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, afirmou ser importante que as soluções para o problema dos precatórios andem em paralelo - Alan Marques/Folhapress
Secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, afirmou ser importante que as soluções para o problema dos precatórios andem em paralelo Imagem: Alan Marques/Folhapress

Marcela Ayres

30/08/2021 16h24Atualizada em 30/08/2021 17h49

O secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, afirmou nesta segunda-feira ser importante que as soluções para o problema dos precatórios andem em paralelo, até para o governo ter segurança em uma das saídas.

Mais cedo nesta segunda, o ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou que a solução proposta pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, para o tema dos precatórios é considerada "extremamente eficaz" e conta com apoio da pasta, em referência à proposta de limitar o crescimento dessa conta à inflação, seguindo a mesma dinâmica da regra do teto de gastos. A adoção dessa sistemática seria implementada por resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Já a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) formulada pela equipe econômica previa o parcelamento em dez vezes dos precatórios de mais de 66 milhões de reais e uma limitação provisória dos pagamentos anuais de precatórios a 2,6% da receita corrente líquida. Para ser aprovada, a PEC precisa do apoio de 3/5 dos parlamentares em votação em dois turnos tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado.

"É importante que as medidas andem em paralelo até porque precisamos ter uma segurança de uma delas e não podemos ficar uma esperando a outra", disse Bittencourt.

"Se eventualmente a proposta do CNJ andar mais rapidamente e for implementada, aí vai ser analisada a velocidade em que vai ser analisada a Proposta de Emenda Constitucional", acrescentou.

Ele lembrou que há outros tópicos abordados na PEC que não estão em discussão no CNJ, como por exemplo o uso da Selic como taxa referencial para correção dos precatórios no lugar de IPCA + poupança.

Segundo Bittencourt, com a fórmula atual de IPCA + poupança o custo do precatório ainda fica menor do que o que é pago pelo Tesouro na emissão dos títulos indexados à inflação.

PUBLICIDADE