PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Calote russo "muito provável" se crise com Ucrânia piorar, diz grupo ligado a sistema bancário mundial

28/02/2022 16h25

Por Tommy Wilkes

LONDRES (Reuters) - É muito provável que a Rússia dê um calote em sua dívida externa e sua economia sofrerá uma contração de dois dígitos este ano depois que o Ocidente lançou sanções sem precedentes em escala e coordenação, disse um grupo de lobby do setor bancário global nesta segunda-feira.

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF) estimou que metade das reservas estrangeiras do Banco Central da Rússia são mantidas em países que impuseram congelamentos de seus ativos, reduzindo severamente o poder de fogo do banco na formulação de políticas.

O Banco Central, que na segunda-feira elevou as taxas de juros e introduziu controles de capital, priorizaria a proteção de poupadores domésticos com investidores estrangeiros sendo colocados como "um dos últimos da lista", disse o IIF.

"Se ficarmos aqui e isso (a crise) aumentar, o default e a reestruturação são prováveis", disse Elina Ribakova, vice-economista-chefe do grupo de lobby, a repórteres durante uma teleconferência.

Segundo ela, o calote seria "extremamente provável", embora o tamanho relativamente pequeno das participações estrangeiras - em torno de 60 bilhões de dólares - na dívida russa limitaria as consequências.

A inadimplência em títulos no mercado interno era muito menos provável, acrescentou.

O Banco Central da Rússia e o Ministério das Finanças russo não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A Rússia invadiu a Ucrânia na semana passada, levando o Ocidente a impor uma série de sanções. Entre elas, o congelamento dos ativos do Banco Central russo, a remoção de muitos bancos russos do sistema global de pagamentos SWIFT e uma lista de indivíduos e entidades com ativos bloqueados no exterior. A Rússia chama sua ação militar na Ucrânia de “operação especial”.

As sanções fizeram com que o rublo despencasse para mínimas recordes na segunda-feira, e os investidores ocidentais estão lutando para se livrar de ativos russos à medida que o país se encontra cada vez mais isolado.

Ribakova, do IIF, disse que as medidas, que ainda podem vir a ser mais duras, são "as sanções econômicas mais severas já impostas a um país" e colocariam a economia russa em queda livre, com uma contração de dois dígitos neste ano e a inflação subindo para um percentual de dois dígitos também.

Ela disse que a conversão das participações cambiais domésticas russas em rublos também está na mesa, embora o banco central esteja relutante em implantá-la inicialmente, pois tenta poupar os poupadores domésticos prejudicados.

O banco central mantém ferramentas para tentar acalmar os mercados, incluindo aumentar ainda mais as taxas de juros, fornecer liquidez aos bancos domésticos e limitar os fluxos de capital. Também pode ser forçado a impor feriados bancários para impedir uma corrida aos bancos, disse o IIF em um relatório divulgado na segunda-feira e escrito antes das últimas sanções.

Ribakova disse que cerca de 10 bilhões de dólares foram retirados de bancos russos apenas na sexta-feira.

As sanções podem ficar mais duras, incluindo impedir que entidades americanas e europeias negociem dívidas governamentais russas existentes, expandindo a lista de instituições banidas do SWIFT e removendo exclusões comerciais relacionadas à energia.

Tais medidas ampliariam os riscos financeiros, comerciais e de contágio também para a economia global, e especialmente para a Europa, acrescentou Ribakova.

Em seu relatório anterior, o IIF disse que se os maiores credores da Rússia, Sberbank e VTB, forem expulsos do SWIFT, espera-se "uma desestabilização fundamental de todo o sistema financeiro, com profundas implicações para a economia real".