PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

EXCLUSIVO-Maior siderúrgica da Ucrânia diz que nunca trabalhará sob ocupação russa

15/04/2022 15h54

Por Natalia Zinets

(Reuters) - A Metinvest, maior siderúrgica da Ucrânia, disse nesta sexta-feira que suas empresas jamais vão operar sob ocupação russa e que a Ucrânia atualmente perdeu acesso a 30% a 40% de sua capacidade de produção metalúrgica na cidade sitiada de Mariupol.

A empresa, controlada pelo homem mais rico da Ucrânia, Rinat Akhmetov, também disse que a Ucrânia reduziu mais da metade de sua produção de minério de ferro após a invasão russa em 24 de fevereiro.

A Ucrânia é um dos maiores fornecedores de minério de ferro da Europa.

Os números, que vieram em um comunicado à Reuters, revelaram o impacto industrial da guerra enquanto a Rússia se prepara para uma nova ofensiva no leste, onde os ativos de aço e carvão da Ucrânia estão concentrados.

A Metinvest controla duas grandes usinas de aço --Illich e Azovstal-- na cidade de Mariupol, no mar de Azov, e colocou as duas fábricas em um regime especial de "preservação de calor" para proteger os equipamentos e evitar acidentes industriais quando começou a guerra.

A cidade, desde então, tem sido devastada por semanas de bombardeio e cerco e uma pequena guarnição ucraniana está tentando mantê-la, apesar de estarem em menor número e cercados pelos ataques russos.

A Metinvest disse à Reuters em um comunicado que os locais foram danificados, mas que era impossível avaliar a escala dos danos com a luta ainda em andamento.

"Acreditamos na vitória da Ucrânia e planejamento retomar a produção após o fim das hostilidades. As empresas metalúrgicas da Metinvest jamais operarão sob domínio russo", disse a empresa.

As fábricas da Metinvest em Mariupol respondem por mais de um terço da produção metalúrgica da Ucrânia, afirmou. 

"O país, portanto, perdeu 30-40% de sua capacidade de produção metalúrgica desde que as fábricas pararam de funcionar. Não temos dúvida de que o trabalho vai ser retomado, mas para isso Mariupol deve continuar sendo ucraniana".

(Por Natalia Zinets)