PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Boeing corta perspectiva de 20 anos para indústria de aviões

17/07/2022 12h33

Por David Shepardson

LONDRES (Reuters) - A fabricante norte-americana de aeronaves Boeing reduziu sua projeção de demanda para a indústria global de aviões nos próximos 20 anos, mas disse que espera que as entregas fiquem estáveis, excluindo o mercado russo.

A Boeing projeta que as companhias aéreas em todo o mundo precisarão de 41.170 novos aviões ao longo de 20 anos, com metade das entregas representando substituição de frota. As aeronaves de corredor único devem corresponder a cerca de 75% da demanda por aviões projetada.

As novas perspectivas de mercado da Boeing, divulgadas neste domingo antes da feira Farnborough Airshow, ficaram abaixo da previsão anterior, de 43.610 entregas em 20 anos.

A nova estimativa exclui o mercado russo, para o qual a projeção é de 1.540 aviões, devido à guerra na Ucrânia e à incerteza sobre quando os fabricantes poderão voltar a vender aviões para aéreas russas.

A Boeing elevou ligeiramente sua previsão de demanda nos próximos 10 anos para 19.575 entregas de aviões --uma estimativa maior mesmo excluindo o mercado russo.

A Boeing ainda projeta que a frota global das companhias aéreas quase dobrará até 2041, pois ainda vê uma demanda mundial de aviação se recuperar da Covid-19 no início de 2024.

Para os próximos 20 anos, a Boeing disse que "os fundamentos de longo prazo permanecem intactos".

“Nossa visão de recuperação de médio prazo --quando o setor voltar aos níveis de tráfego aéreo global de 2019-- permanece praticamente inalterada” desde 2020, disse a repórteres Darren Hulst, vice-presidente de marketing comercial da Boeing.

“No geral, ainda vemos o final de 2023, início de 2024 como o momento em que a indústria se recupera totalmente, ou pelo menos o nível de tráfego pré-pandemia”.

(Reportagem de David Shepardson)