PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Reorganização da diretoria do BC do Japão traz menos membros a favor de política monetária frouxa

25/07/2022 08h48

TÓQUIO (Reuters) - Os dois novos formuladores de política monetária do Banco do Japão (BOJ, na sigla em inglês) disseram nesta segunda-feira que o banco central precisa de uma estratégia de saída de seu estímulo maciço, um sinal de que o equilíbrio da diretoria pode se inclinar a favor de uma retirada do afrouxamento monetário radical do presidente da instituição, Haruhiko Kuroda.

Hajime Takata, ex-economista privado, disse que o BOJ deve "sempre pensar" em uma estratégia de retirada, embora agora possa não ser o momento para o fim da era de taxas de juros ultrabaixas.

O outro recém-chegado, Naoki Tamura, que veio de um banco comercial, disse que uma saída da política monetária flexível se tornará um foco de discussão quando os salários começarem a subir junto com a inflação.

"Somente quando o BOJ puder normalizar a política monetária e sair dela poderá descrever seu enorme programa de afrouxamento monetário como um sucesso", disse Tamura em sua primeira entrevista coletiva.

Takata e Tamura se juntaram ao conselho de nove membros do BOJ no domingo, substituindo o ex-economista Goushi Kataoka, um defensor da flexibilização monetária intensa, e o banqueiro Hitoshi Suzuki. Seus mandatos de cinco anos haviam expirado.

A chegada de Takata e Tamura, que não mostraram relutância em falar sobre uma retirada da política monetária frouxa, pode mudar o debate do conselho em favor do fim do estímulo maciço.

O vice-presidente Masazumi Wakatabe, outro defensor da flexibilidade, chegará ao fim de seu mandato de cinco anos em março do próximo ano. Isso será seguido pela saída do presidente, Kuroda.

"Os recém-chegados parecem acreditar que o controle da curva de juros pode ser ajustado mais cedo ou mais tarde", disse Hiroaki Muto, economista da Sumitomo Life Insurance.

"A possibilidade de um ajuste no controle da curva de juros está aumentando, embora o momento provavelmente só venha após a saída de Kuroda", disse ele.  

(Reportagem de Leika Kihara; Reportagem adicional de Daniel Leusink)