IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

CCR tem prejuízo no 4º tri com efeitos não recorrentes, prevê investir R$7 bi em 2023

15/02/2023 19h52

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A CCR teve prejuízo no quarto trimestre de 2022, resultado influenciado por efeitos extraordinários, e indicou que se concentrará em concessões já contratadas neste ano, período no qual pretende investir cerca de 7 bilhões de reais.

A concessionária de rodovias, modais urbanos e aeroportos anunciou nesta quarta-feira que teve prejuízo líquido de 217 milhões de reais de outubro a dezembro, ante resultado também negativo de 133 milhões na mesma etapa de 2021.

Os números do trimestre incluem o pagamento de 340 milhões de reais pela companhia ao governo do Paraná para encerrar pendências relativas à concessão da Rodonorte. A CCR também mudou da linha de investimento para custo um montante de 470 milhões de reais relativos a obras adicionais na ViaOeste, que administra as rodovias Castelo Branco e Raposo Tavares.

Na outra ponta, a CCR teve receita extra com a venda de ativos como a Samm, de fibra ótica subterrânea, negócio de 245 milhões de reais anunciado em dezembro.

Sem esses efeitos, a concessionária de infraestrutura teve no trimestre lucro de 219 milhões de reais, aumento de 36,3% sobre um ano antes. Isso refletiu o crescimento de 10,8% da receita líquida recorrente, para 2,62 bilhões de reais.

O resultado operacional da CCR medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado subiu 17,6% ano a ano, com margem de 61,1%, alta de 3,6 pontos.

Segundo a gerente de relações com investidores da CCR, Flavia Godoy, a companhia registrou crescimento gradual dos modais rodoviários e mais forte em aeroportos, segmento no qual está perto de recuperar os níveis de atividade pré-pandemia.

"Em modais urbanos, a recuperação está sendo mais lenta", disse Godoy à Reuters.

De todo modo, será neste nicho que a CCR deve empregar boa parte dos cerca de 7 bilhões de reais que pretende investir ao longo de 2023. Só as linhas 8 e 9 do metrô de São Paulo, que estão registrando paralisações por problemas operacionais recentemente, devem consumir cerca de 2,5 bilhões de reais.

Segundo Godoy, a CCR está "olhando de forma mais seletiva" a eventual participação em novas concessões neste ano. "Para 2023, o foco é no que já contratou."

A CCR fechou dezembro com alavancagem financeira medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda de 1,7 vez. Mas, excluindo efeitos não recorrentes, o índice ficou em 2,9 vezes.