IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

"Quase todas" as autoridades do Fed apoiaram alta de 0,25 p.p. nos juros na última reunião, mostra ata

22/02/2023 16h13

Por Howard Schneider e Michael S. Derby

WASHINGTON (Reuters) - Uma sólida maioria das autoridades do Federal Reserve concordou em sua última reunião de política monetária em diminuir o ritmo de aumentos na taxa básica de juros para 0,25 ponto percentual, mas também concordaram que os riscos de uma inflação elevada continuam sendo um "fator-chave" que molda a política monetária e justifica incrementos contínuos na taxa de referência até que as pressões de preços sejam controladas.

"Quase todos os participantes concordaram que era apropriado elevar a faixa-alvo da taxa básica em 0,25 ponto percentual", com muitos deles dizendo que isso permitiria ao Fed "determinar melhor a extensão" de movimentos futuros, de acordo com a ata da reunião de 31 de janeiro a 1º de fevereiro do banco central dos Estados Unidos, que foi divulgada nesta quarta-feira.

Mas "os participantes amplamente destacaram que os riscos ascendentes para as perspectivas de inflação continuaram a ser um fator-chave para moldar as perspectivas de política monetária" e que os juros precisariam subir e permanecer elevados "até que a inflação esteja claramente encaminhada para (a meta de) 2%".

Apenas "alguns" participantes foram totalmente a favor de um ajuste maior de 0,50 ponto percentual na reunião, ou disseram que "poderiam tê-lo apoiado".

A ata mostrou que o Fed navega em direção a um possível ponto final para seus atuais movimentos de juros, ao mesmo tempo que diminui o ritmo para abordar com mais cautela um possível ponto de parada e deixa em aberto o quanto a taxa básica acabará subindo caso a inflação não desacelere.

Durante um ano em que o Fed teve que disputar uma corrida contra uma taxa de inflação que atingiu máximas em 40 anos, o banco central norte-americano elevou sua taxa básica de juros em oito reuniões, de um ponto inicial próximo a zero em março passado para a atual faixa de 4,50% a 4,75%.

A declaração de política monetária divulgada em 1º de fevereiro disse que "aumentos contínuos" ainda seriam necessários, mas mudou o foco do ritmo dos próximos incrementos de juros para sua "extensão", um aceno para o fato de que os formuladores de política monetária sentem que podem estar se aproximando de uma faixa de juros que é adequada para fazer progressos contínuos na redução da inflação.

Os dados desde a última reunião mostraram que a economia dos EUA continua a crescer e criar empregos em um ritmo inesperadamente rápido, e fazer progresso menos estável em direção à meta de inflação de 2% do Fed.

A ata mostrou que as autoridades do Fed ainda estão sintonizadas com o risco de que podem ter de fazer mais para manter a inflação em queda, um posicionamento agressivo que pode aparecer com mais precisão quando as autoridades emitirem novas projeções econômicas e sobre a taxa de juros em uma reunião que acontece dentro de quatro semanas.

"Os participantes concordaram que o Comitê (Federal de Mercado Aberto; Fomc, na sigla em inglês) fez progressos significativos ao longo do ano passado em direção a uma postura suficientemente restritiva da política monetária", disse a ata, descrevendo uma economia que continuou a crescer em meio a um mercado de trabalho apertado.

"Mesmo assim, os participantes concordaram que, embora houvesse sinais de que o efeito cumulativo do aperto da política monetária do Comitê havia começado a moderar as pressões de preços, a inflação permaneceu bem acima da meta de longo prazo do Comitê de 2% e o mercado de trabalho continuou muito apertado."