IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Regulador suíço rechaça culpa por colapso do Credit Suisse

05/04/2023 12h27

Por John O'Donnell

BERNA (Reuters) - O regulador financeiro da Suíça rechaçou a culpa pelo colapso do segundo maior banco do país, o Credit Suisse, dizendo que foi rápido sua resposta, pedindo mais poderes para responsabilizar os bancos.

“Reagimos muito rápido”, disse a presidente da FINMA, Marlene Amstad, a jornalistas, acrescentando que era responsabilidade da administração evitar tal situação e que os regulamentos por si só não poderiam resolver uma crise de confiança como a que derrubou o banco.

O discurso do regulador, que tem a responsabilidade primária pela supervisão de um dos maiores centros financeiros do mundo, contrasta fortemente com o humilde pedido de desculpas emitido pelo presidente do Credit Suisse um dia antes.

Axel Lehman disse aos acionistas que estava "realmente arrependido" por levar o banco suíço à beira da falência.

O colapso desencadeou uma aquisição organizada às pressas pelo UBS  , financiada com mais de 200 bilhões de francos suíços (221,02 bilhões de dólares) de apoio e garantias estatais, que praticamente eliminaram os acionistas, bem como grupos de detentores de títulos.

Amstad, da FINMA, pediu mais poder para penalizar, nomear e expor os bancos que violam as regras. A agência é praticamente impotente para chamar os bancos a prestar contas, já que a Suíça adota uma abordagem de não interferência na indústria, dando-lhes livre arbítrio.

"A FINMA não tem poder para multar", disse Amstad, acrescentando que "é uma exceção quando comparado com outros reguladores".

A agência também quer que os banqueiros sejam responsabilizados em um regime especial que os aponta como responsáveis.

"Impor multas será um passo à frente. Mas, como vimos, o Credit Suisse pagou bilhões em multas e isso não mudou sua catastrófica estratégia de negócios", disse Dominik Gross, da Aliança Suíça de Organizações de Desenvolvimento.

"Deve haver o poder de perseguir os principais gestores dos bancos por negligência criminosa."