IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Dólar cai mais de 1% ante real com inflação desacelerando e otimismo com arcabouço

11/04/2023 17h38

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar à vista recuou mais de 1% ante o real nesta terça-feira, em um dia marcado pela divulgação de dados favoráveis de inflação, pela perspectiva otimista com o novo arcabouço fiscal e pela busca de ativos de maior risco em todo o mundo.

Pela manhã, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA, o índice oficial de inflação, subiu 0,71% em março, depois de ter avançado 0,84% em fevereiro. Isso levou o indicador a acumular nos 12 meses até março taxa de 4,65%, contra 5,60% de antes. Foi a primeira vez que o índice em 12 meses ficou abaixo de 5% desde janeiro de 2021.

Os números abriram espaço para a busca de ativos de maior risco, como as ações de empresas brasileiras, e favoreceram o real, em meio à avaliação de que o novo arcabouço fiscal, apresentado recentemente pelo governo, também reduz as chances de descontrole da dívida pública.

Após chegar a oscilar abaixo dos 5 reais, o dólar à vista fechou o dia cotado a 5,008 reais na venda, em baixa de 1,14%.

Na B3, às 18:16 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,23%, a 5,0245 reais.

Pela manhã, às 11h19, o dólar à vista chegou a marcar a mínima de 4,9894 reais (-1,51%), com os participantes do mercado reagindo positivamente aos dados de inflação no Brasil. Durante a tarde, a moeda americana se recuperou um pouco, mas ainda assim fechou em forte queda.

A economista Cristiane Quartaroli, do Banco Ourinvest, pontuou que o real se destacou entre as moedas de países emergentes. Segundo ela, os dados de inflação abaixo do esperado no Brasil e as falas de membros do governo sobre o novo arcabouço fiscal trouxeram ânimo para o mercado local.

Nesta manhã, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, previu um "amplo apoio" do Congresso à proposta de arcabouço fiscal do governo, ecoando confiança expressa pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na véspera. A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, disse que técnicos do governo estão fazendo ajustes "redacionais" ao texto da âncora fiscal, indicando que ele deve ser encaminhado ao Congresso na próxima segunda-feira.

O gestor da área de macro da AZ Quest, Gustavo Menezes, destacou a importância do arcabouço.

“Desde o início do ano, sabíamos que os juros básicos de 13,75% ao ano eram contracionistas. Já havia condições de o ciclo de corte de juros começar, só precisávamos de um marco fiscal aceitável”, comentou.

Segundo ele, os dados desta terça-feira ajudaram o real a ter uma boa performance em relação ao dólar e há espaço para o movimento continuar.

“O fato é que, com o fiscal acomodado, há conforto para se fazer análises de maneira clara, olhando para dados comerciais, para investimentos. Há sim mais espaço para o real andar”, disse.

No exterior, o dólar também se mantinha em queda ante outras divisas, embora o movimento fosse menos intenso.

Às 18:16 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- caía 0,30%, a 102,160.

Na manhã desta terça-feira, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de maio.

(Por Fabrício de Castro)