IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Dólar vai abaixo de R$5,00 pela 1ª vez em mais de 2 meses

11/04/2023 09h09

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar acelerou suas perdas e foi abaixo de 5 reais pela primeira vez em mais de dois meses nesta terça-feira, pressionado por um combo de redução de temores fiscais locais, dados do IPCA abaixo do esperado e cenário externo favorável a ativos de risco.

Às 10:46 (horário de Brasília), o dólar à vista recuava 1,10%, a 5,0100 reais na venda. Mais cedo, na mínima do dia, o dólar caiu 1,49%, a 4,9905 reais, indo abaixo de 5 reais pela primeira vez desde o dia 2 de fevereiro deste ano.

Na B3, às 10:46 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,25%, a 5,0235 reais.

Segundo Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho, esse movimento se deve a "notícias positivas vindas do novo arcabouço fiscal", somadas a um "forte fluxo de entrada de recursos" pela conta comercial de dólares do país em meio à perspectiva de safras recordes.

Na segunda-feira, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que o governo já fechou pendências que faltavam ser definidas no novo arcabouço fiscal, e que técnicos vão redigir a proposta final da âncora com base nas decisões políticas tomadas. A regra, que impede que os gastos federais cresçam mais do que a arrecadação, foi, no geral, bem recebida pelos mercados financeiros.

Enquanto isso, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,71% em março, abaixo do esperado, após alta de 0,84% no mês anterior, informou o IBGE nesta terça-feira. Nos 12 meses até março o índice acumulou avanço de 4,65%, contra 5,60% antes, a taxa mais baixa e a primeira vez abaixo de 5% desde janeiro de 2021.

"De olho no local, o mercado deve ajustar posições depois de o IPCA ter vindo abaixo da mediana do mercado. Esse alívio deve estimular o real e a bolsa", disse à Reuters Fernando Bergallo, diretor de operações da FB Capital.

Ao mesmo tempo "o mercado está refletindo um exterior ameno", acrescentou Bergallo. "Bolsas lá fora estão dando fôlego para o Ibovespa aqui e... a maioria das moedas ligadas a commodities está performando bem hoje."

No exterior, o índice do dólar contra uma cesta de pares fortes caía cerca de 0,30%.

Todos os olhos estão voltados para dados de inflação nos Estados Unidos agendados para quarta-feira. Qualquer número forte deve alimentar apostas de que o Federal Reserve continuará elevando os juros em sua próxima reunião de política monetária, no início de maio.

Atualmente, os mercados futuros já precificam cerca de 70% de chance de o banco central norte-americano subir sua taxa básica em 0,25 ponto percentual.

Quanto mais altos os juros nos EUA, mais o dólar tende a se beneficiar globalmente de redirecionamentos de recursos para o mercado de renda fixa norte-americano.

Por outro lado, com a taxa Selic ainda em 13,75%, o Brasil segue oferecendo uma rentabilidade muito atraente para agentes financeiros externos, o que tem sustentado o real nas últimas semanas.

O Citi disse em relatório desta terça-feira que é provável que os mercados globais operem em "modo de realização de lucros" antes dos dados de inflação dos EUA, mas reafirmou seu otimismo em relação a moedas latino americanas de alto retorno --o que inclui o real.

Bergallo, da FB, disse ainda que "o cenário político local segue sem ruídos a um bom tempo, o que certamente ajudou o real e nos permitiu surfar um pouco na inclinação a risco vinda do exterior, acomodando o dólar perto dos 5,00".

Na véspera, a moeda norte-americana spot subiu 0,15%, a 5,0659 reais na venda.

(Edição de Camila Moreira)