IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Campos Neto diz que BC não é culpado pelas mazelas do país e defende nível de juros

25/04/2023 09h42

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - Em meio a críticas do governo à atuação do Banco Central, o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça-feira que a autarquia não é culpada pelas mazelas do país e argumentou que o combate à inflação é o maior instrumento social que existe.

Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, ele defendeu o atual nível de juros no país e disse não saber quando a Selic cairá, apesar de o enfrentamento à alta de preços estar "no caminho certo".

“O presidente tem direito de falar sobre juros, em nenhum momento reclamei sobre isso, minha função é explicar de forma técnica como o Banco Central enxerga isso, o BC não é culpado pelas mazelas que o país passa, o BC é ator e está no mesmo barco que o governo sempre, tem que trabalhar de forma harmônica com o governo”, disse.

Campos Neto afirmou que a autarquia faz trabalho técnico com quadro altamente capacitado e busca cumprir sua tarefa com o menor custo possível para a sociedade.

"A gente tem um trabalho grande para fazer de reversão de expectativas para que a gente tenha condições de fazer o juro cair de forma saudável", disse.

Ao negar que o BC faça atuação política, Campos Neto afirmou que "nunca na história deste país" a autarquia fez um movimento tão forte de alta de juros como no período eleitoral de 2022. Se essa atuação não tivesse sido feita, segundo ele, a inflação em 2023 teria ficado próxima a 10%, não em 5,8%, o que exigiria níveis ainda mais altos de juros hoje.

O convite para comparecimento de Campos Neto ao Senado para dar explicações sobre o atual patamar da taxa básica de juros no país, inalterado em 13,75% ao ano desde setembro, foi aprovado em março, em meio a ataques do governo à condução da política monetária.

Nos últimos meses, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez uma série de críticas ao BC, sob o argumento de que o elevado nível de juros no país contrai excessivamente a atividade e pode resultar em uma crise de crédito. Ele também questionou o sistema de metas para a inflação.

Na apresentação, o presidente do BC afirmou que a taxa real de juros (diferença entre a Selic e o nível de inflação) no Brasil é alta, mas é menor do que a observada no passado. Acrescentou ainda que se o BC não tiver credibilidade, cortes na Selic podem gerar restrição de crédito e alta no juro para períodos mais longos.

JURO COMPATÍVEL

O presidente do BC disse que o núcleo de inflação (que elimina elementos voláteis) está rodando em 7,8% em 12 meses, patamar "bastante alto", apesar de ponderar que o Brasil tem hoje uma inflação mais baixa do que a média de outros países.

"A gente está com juro que é compatível com esse tipo de problema, entendemos que está funcionando e está caindo a inflação. Ter atuado antes funcionou e a agente precisa esperar para ver os próximos números e acontecimentos para ver qual é o curso de ação", afirmou.

"Eu não tenho capacidade de dizer quando isso (queda de juros) vai acontecer porque eu sou um voto de nove, mas eu acho que a gente tem explicado que é um processo técnico que tem seu tempo e as coisas têm caminhado no caminho certo", acrescentou.

Campos Neto argumentou que o BC suaviza os efeitos da política monetária na economia ao alongar seu horizonte de atuação para controlar a inflação com o menor custo possível, mas ponderou que esse alongamento precisa ser feito com credibilidade.

Em meio a discussões no governo sobre ampliação da atuação do BNDES e mudanças na forma de remuneração dos financiamentos do banco de fomento, Campos Neto disse que níveis elevados de crédito subsidiado tendem a aumentar a taxa neutra de juros --aquela que não estimula nem contrai a atividade.

O presidente do BC acrescentou que o nível de crédito direcionado, linhas que são reguladas pelo governo, é alto no Brasil, o que diminui a potência da política monetária e exige mais juros em momentos de alta da inflação.

Campos Neto ressaltou, ainda, que as expectativas de inflação estão piorando no país há 14 semanas. O mais recente boletim Focus do BC, que capta projeções de mercado, aponta para inflação de 6,04% neste ano, 4,18% em 2024 e 4,00% em 2025.

A meta da inflação para 2023 é de 3,25%, com tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos. Para 2024 e 2025, o patamar estabelecido é de 3%, com a mesma margem. Em março, o IPCA registrou alta acumulada em 12 meses de 4,65%, mas analistas de mercado esperam que o índice volte a acelerar até o fim do ano.

Campos Neto afirmou que o BC persegue a meta de inflação, que não é definida pela autarquia. A meta é estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, composto pelos ministros da Fazenda e do Planejamento e pelo presidente do BC.

Na apresentação, Campos Neto disse que o arcabouço fiscal apresentado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, vai na direção certa e remove risco de uma piora grande na trajetória da dívida pública.

"Não tem mágica no fiscal, infelizmente não tem bala de prata, se a gente não tiver as contas em dia, não tiver uma perspectiva, a gente não consegue melhorar", afirmou.

Haddad tem argumentado que o esforço do governo para mostrar responsabilidade fiscal oferece ao BC uma abertura para cortar os juros.