IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Ajustar orientação futura pode ser primeira tarefa do novo chefe do BC japonês

26/04/2023 10h31

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - É provável que o novo chefe do Banco do Japão (BOJ) mantenha as configurações monetárias flexíveis em sua reunião de estreia na sexta-feira, mas pode considerar descartar as referências à pandemia nas orientações futuras, à medida que a questão desaparece como um risco econômico.

Embora tal ajuste não tenha implicações práticas para a política monetária, os investidores pode interpretá-lo como o primeiro passo do presidente do banco central japonês, Kazuo Ueda, em direção a uma mudança mais ampla na atual postura mais branda no combate à inflação do órgão e uma eventual eliminação de seu estímulo massivo.

Aprimorar a comunicação do banco central japonês com os mercados pode ser a primeira tarefa na qual o ex-acadêmico trabalhará para se diferenciar de seu antecessor Haruhiko Kuroda, dizem alguns analistas.

Com o Japão reabrindo a economia e removendo as restrições da pandemia, os críticos dizem que a orientação do BOJ de manter a política ultrafrouxa "com um olhar atento ao impacto da pandemia", introduzida em 2020, ficou desatualizada.

Na reunião de dois dias que termina na sexta-feira, o conselho do BOJ pode debater ajustes na linguagem para eliminar gradualmente a referência à Covid-19, embora um ajuste real possa ser adiado até a próxima revisão da taxa em junho, dizem fontes familiarizadas com seu pensamento.

Dada a incerteza sobre a economia global e as perspectivas salariais domésticas, o BOJ deve manter na sexta-feira suas metas de controle da curva de rendimento (YCC), fixadas em -0,1% para taxas de curto prazo e em torno de zero para o rendimento dos títulos de 10 anos.

Pistas sobre o momento de um ajuste no YCC também podem vir do relatório de perspectiva trimestral do BOJ, previsto para sexta-feira, que incluirá novas previsões de crescimento e preços.

De acordo com as projeções atuais feitas em janeiro, o BOJ espera que o núcleo da inflação ao consumidor atinja 1,6% este ano e 1,8% no ano fiscal de 2024. Ele espera que a economia expanda 1,7% neste ano fiscal antes de desacelerar para 1,1% no ano seguinte.

Muitos analistas esperam que o BOJ projete que a inflação fique próxima, mas um pouco abaixo, da meta de 2% do banco para os anos fiscais de 2024 e 2025.