IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Gastos do consumidor nos EUA ficam estáveis em março; núcleo do PCE continua forte

28/04/2023 10h03

WASHINGTON (Reuters) - Os gastos dos consumidores dos Estados Unidos ficaram inalterados em março, enquanto as pressões da inflação subjacente permaneceram fortes, o que pode levar o Federal Reserve a elevar os juros novamente no próximo mês.

A leitura inalterada nos gastos dos consumidores no mês passado, divulgada pelo Departamento de Comércio nesta sexta-feira, seguiu-se a um ganho revisado para baixo de 0,1% em fevereiro. Economistas consultados pela Reuters previam que os gastos dos consumidores cairiam 0,1%.

Os dados foram incluídos no relatório antecipado do Produto Interno Bruto para o primeiro trimestre divulgado na quinta-feira, que mostrou os gastos dos consumidores aumentando a uma taxa anualizada de 3,7% no período, após subirem 1,0% no trimestre de outubro a dezembro.

A economia cresceu a um ritmo de 1,1%, já que a aceleração nos gastos dos consumidores foi compensada por empresas liquidando estoques em antecipação à demanda mais fraca ainda neste ano. A economia cresceu a uma taxa de 2,6% no quarto trimestre.

A leitura estável do mês passado nos gastos dos consumidores colocou o consumo em um caminho de crescimento mais baixo no segundo trimestre. Isto provavelmente refletiu os norte-americanos se tornando mais avessos a preços altos, bem como a expiração de um aumento temporário dos benefícios do Programa de Assistência Nutricional Suplementar (Snap, na sigla em inglês) autorizado pelo Congresso para proteger pessoas e famílias de baixa renda contra as dificuldades da pandemia da Covid-19.

A economia está enfrentando vários obstáculos, incluindo juros mais altos à medida que o Fed combate a inflação e condições de crédito mais rígidas, o que pode prejudicar os gastos dos consumidores e das empresas. Um impasse para aumentar o limite de empréstimos de 31,4 trilhões de dólares do governo federal também representa uma ameaça.

O Fed deve elevar os juros em mais 25 pontos-base na próxima semana, potencialmente o último aumento no ciclo de aperto monetário mais rápido do banco central norte-americano desde a década de 1980.

Embora a inflação permaneça elevada, ela está diminuindo gradualmente. O índice de preços PCE subiu 0,1% em março, após alta de 0,3% em fevereiro. Nos 12 meses até março, o índice aumentou 4,2%, após alta de 5,1% em fevereiro.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o índice avançou 0,3%, repetindo a taxa de fevereiro. O chamado núcleo do PCE avançou 4,6% em março na base anual, depois de subir 4,7% em fevereiro.

O Federal Reserve acompanha o índice PCE para sua meta de inflação de 2%

(Por Lucia Mutikani)