IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Mecânica da política monetária do Fed será testada por calote de dívida dos EUA

15/05/2023 16h02

Por Michael S. Derby

NOVA YORK (Reuters) - Um calote na dívida do Tesouro dos Estados Unidos seria um salto no desconhecido para a capacidade do Federal Reserve de conduzir a política monetária para atingir suas metas de emprego e inflação.

Isso porque os títulos do governo norte-americano são a chave para o modo como o banco central define sua meta de taxa de juros de curto prazo. Qualquer coisa que prejudique o mercado de Treasuries pode embaralhar essa mecânica.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que o governo pode ficar sem os fundos necessários para pagar todas as contas já no início de junho se o teto da dívida não for aumentado. A Casa Branca e os parlamentares republicanos no Congresso estão presos em negociações tensas com poucos sinais de que estejam perto de um acordo para evitar um calote que poderá desencadear o caos no sistema financeiro global.

Para o Fed, a perspectiva de inadimplência significa incerteza não apenas sobre os efeitos debilitantes que provavelmente terá sobre a economia, mas também sobre como a instituição lida com os detalhes práticos da implementação diária de políticas: os fundos do mercado monetário aceitarão um título do Tesouro prejudicado como garantia? O Fed estará disposto a tomar emprestado ou comprar um título do Tesouro com problemas?

De sua parte, funcionários do banco central insistiram que a única resolução é que o teto da dívida de 31,4 trilhões de dólares seja elevado e hesitaram em oferecer detalhes sobre o que o Fed pode fazer.

"Não vou especular sobre o que pode ou possivelmente pode acontecer... não acho que isso seja útil", disse o presidente do Fed de Nova York, John Williams, na semana passada.

PASSADO COMO PRECEDENTE

Esta não é a primeira experiência do Fed com o limite da dívida. A instituição desenvolveu um protocolo em impasses anteriores em 2011 e 2013 que provavelmente será a base para uma resposta caso esse episódio termine em inadimplência em oposição a um acordo para evitá-lo, como no passado.

A ata da reunião do Fed de outubro de 2013 disse que as autoridades esperavam que não precisassem de mudanças nos procedimentos e lidarão com títulos a preços de mercado, deixando algum espaço para intervir para estabilizar os mercados, se necessário.

Existem também algumas diferenças agora que dão ao Fed algum espaço, pelo menos em termos de como suas operações de mercado podem funcionar, em grande parte devido ao seu enorme balanço patrimonial. Atualmente, o Fed tem cerca de 5,2 trilhões de dólares em dívidas do Tesouro, e a maior parte está bem no início de um default.

"Mesmo que haja inadimplência, digamos em julho ou junho ou algo assim, há garantia mais do que suficiente que não está inadimplente" para que o Fed ainda seja capaz de negociar com fundos do mercado monetário para manter seu mecanismo de recompra reverso overnight funcionando, disse Joseph Wang, diretor de investimentos da Monetary Macro.

Ele acrescentou que espera que os fundos do mercado monetário aceitem os títulos do Tesouro prejudicados, se necessário, porque, em última análise, essas empresas estão emprestando ao Fed de qualquer maneira e há poucas chances de que não recebam seu dinheiro de volta.

Wang também espera que o banco central dos Estados Unidos aceite títulos do Tesouro prejudicados como parte de seu Standing Repo Facility, bem como quaisquer operações discricionárias que possa realizar, porque não fazê-lo poderá ser um problema maior. "Parece estranho que o Fed queira causar problemas por conta própria, já que eles têm a estabilidade financeira como parte de seu mandato", disse ele.