IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Legado de Powell é testado por inflação, crise bancária e nova dinâmica do Fed

16/05/2023 11h24

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, que navegou por uma Casa Branca combativa e uma pandemia em seus primeiros anos como chefe do banco central dos Estados Unidos, está enfrentando um capítulo crítico em sua liderança com uma batalha contra a inflação ainda não resolvida, preocupações com recessão generalizada e críticas à supervisão do Fed sobre o setor financeiro.

Em certo nível, a nomeação do presidente Joe Biden na semana passada de um membro relativamente novo da diretoria do Fed para se tornar vice-chair do banco central parece um voto de confiança em Powell, que foi elevado ao cargo principal pelo ex-presidente Donald Trump, recebeu um segundo mandato de Biden e agora é uma figura sênior com mais de uma década no Fed.

No entanto, também representa um teste para a administração do dirigente do banco central de 70 anos, enquanto ele enfrenta decisões difíceis sobre a direção da taxa de juros, os índices de aprovação pública mais baixos de qualquer chefe recente do Fed e um pedido incomum de dentro para uma revisão externa da supervisão do Fed.

É um período que determinará se Powell será lembrado como o líder do Fed que domou a inflação sem recessão e manteve intacto um sistema financeiro estressado, ou como aquele que perdeu o controle dos preços e recorreu a taxas punitivas para recuperá-lo.

"Powell e seus colegas estão atualmente em um espaço com enormes implicações para 2024", à medida que tentam conter a inflação sem causar uma recessão e aumento do desemprego antes das eleições presidenciais, disse Peter Conti-Brown, historiador do Fed e professor associado na Escola de Wharton da Universidade da Pensilvânia.

O humor em relação ao banco central entre os parlamentares dos EUA será testado esta semana, quando o vice-presidente do Fed para supervisão, Michael Barr, comparecer a comitês do Congresso na terça e quinta-feiras. O inspetor-geral do Fed enfrentará uma audiência separada na quarta-feira sobre "Fortalecimento da responsabilidade no Federal Reserve". Powell fará comentários em uma conferência do Fed na sexta-feira.

AVALIAÇÕES BAIXAS

A opinião pública sobre Powell, entretanto, parece ter azedado.

Quando assumiu o Fed em 2018, ele prometeu uma abordagem franca e fez mudanças que tentaram elevar os interesses dos trabalhadores. Advogado de Wall Street e executivo de private equity durante grande parte de sua carreira, Powell costuma abrir entrevistas coletivas dizendo que deseja políticas do Fed "que beneficiem a todos".

Após o pior crescimento da inflação em 40 anos, os aumentos vertiginosos dos juros que se seguiram e uma série de falências de bancos de alto perfil, uma pesquisa recente do Gallup mostrou a confiança em Powell na marca mais baixa de qualquer chefe do Fed desde que a pergunta foi feita pela primeira vez em 2001.

Tem havido apelos bipartidários para uma supervisão externa mais rígida do Fed e críticas crescentes, algumas delas de dentro do Fed, algo incomum para uma instituição que trabalha por consenso e preserva sua independência.

A diretora do Fed Michelle Bowman classificou na sexta-feira uma revisão recente do Fed sobre a falência do Silicon Valley Bank de "limitada" e argumentou que o banco central precisava de "uma terceira parte independente...para entender completamente" por que o banco com sede em Santa Clara, na Califórnia, quebrou.

Historiadores do Fed disseram que o pedido de uma autoridade em exercício para uma revisão externa é raro, senão sem precedentes, e sugere que o debate sobre a supervisão bancária pode ser demorado.

“Uma revisão externa certamente prolongaria e potencialmente complicaria os próximos passos do Fed em lidar com seu desempenho regulatório e de supervisão”, disse Sarah Binder, historiadora do Fed e professora da Universidade George Washington na capital dos EUA.

(Reportagem adicional de Ann Saphir)