IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Câmara instala CPIs para investigar Americanas, suspeita de manipulação no futebol e MST

17/05/2023 18h22

BRASÍLIA (Reuters) - A Câmara dos Deputados instalou nesta quarta-feira três Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) para investigar as inconsistências contábeis envolvendo a Americanas, as suspeitas de manipulação de jogos de futebol e ainda a atuação do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), esta última sob o comando da oposição.

Por isso mesmo, das três comissões instaladas nesta quarta, a do MST é a que deve oferecer maior risco político ao governo, tradicionalmente identificado com o movimento pela reforma agrária.

A presidência da CPI do MST ficou a cargo do deputado Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS), enquanto a relatoria foi conferida ao deputado Ricardo Salles (PL-SP), ex-ministro do Meio Ambiente do ex-presidente Jair Bolsonaro.

A CPI das Americanas, que contou com apoio de aliados do governo, será presidida pelo deputado Gustinho Ribeiro (Republicanos-SE). O deputado Carlos Chiodini (MDB-SC) ficará com a relatoria. A comissão foi criada para apurar inconsistências da ordem de 20 bilhões de reais detectadas no início deste em lançamentos contábeis da Americanas referentes a demonstrações financeiras anteriores.

No caso da CPI sobre suspeita de manipulação de jogos de futebol, foi escolhido o deputado Julio Arcoverde (PP-PI) para a presidência e não houve a designação formal de um relator.

Além disso, uma outra CPI -- desta vez mista, formada por deputados e senadores -- se apresenta no horizonte para investigar os atos antidemocráticos de 8 de janeiro que resultaram na depredação das sedes dos Três Poderes em Brasília por aliados de Bolsonaro.

Segundo o deputado Arthur Oliveira Maia (União-BA), já foi alcançado apoio de número suficiente de parlamentares para a instalação do colegiado.

"Falei há pouco com o senador Rodrigo Pacheco (presidente do Congresso) e fui informado que a instalação do colegiado acontecerá na próxima terça-feira, 23/05", publicou Maia no Twitter.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)