IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Negociações sobre teto da dívida dos EUA não mostram sinais de avanço

24/05/2023 07h31

Por David Morgan e Steve Holland e Richard Cowan

WASHINGTON (Reuters) - Representantes do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e dos republicanos do Congresso encerraram outra rodada de negociações sobre o teto da dívida na terça-feira sem sinais de avanço, enquanto se aproxima o prazo para aumentar o limite de empréstimos do governo de 31,4 trilhões de dólares.

Os dois partidos permanecem profundamente divididos sobre como controlar o déficit federal, com os democratas argumentando que os norte-americanos ricos e as empresas deveriam pagar mais impostos, enquanto os republicanos querem cortes de gastos.

Os negociadores da Casa Branca Shalanda Young, diretora do Escritório de Administração e Orçamento, e o assessor sênior da Casa Branca, Steve Ricchetti, reuniram-se com seus pares republicanos por cerca de duas horas. Eles saíram sem fazer comentários substantivos à mídia.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, alertou que o governo federal pode não ter mais dinheiro suficiente para pagar todas as suas contas já em 1º de junho, o que causaria um calote que prejudicaria a economia dos EUA e aumentaria os custos dos empréstimos.

Os dois lados ainda discordam sobre os gastos e não está claro quando as negociações serão retomadas, disse o deputado republicano Patrick McHenry, que preside o Comitê de Finanças da Câmara.

A porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre chamou as negociações de "incrivelmente difíceis".

"Ambos os lados precisam entender que não vão conseguir tudo o que desejam", disse Jean-Pierre em coletiva de imprensa. "E o que estamos tentando obter é um orçamento que seja razoável, que seja bipartidário, que democratas e republicanos na Câmara e no Senado possam votar e concordar."

Os democratas querem congelar os gastos para o ano fiscal de 2024, que começa em outubro, nos níveis adotados em 2023, argumentando que isso representaria um corte de gastos porque os orçamentos das agências não correspondem à inflação. A ideia foi rejeitada pelos republicanos, que querem cortes de gastos.

Biden quer cortar o déficit aumentando os impostos sobre os ricos e fechando brechas fiscais para as indústrias petrolífera e farmacêutica. McCarthy disse que não aprovará aumentos de impostos.

McCarthy disse a repórteres na segunda-feira que esperava falar com Biden diariamente pelo menos por telefone.

Se e quando Biden e McCarthy chegarem a um acordo, eles ainda precisarão vendê-lo para suas bancadas no Congresso. Poderia facilmente levar uma semana para aprovar um acordo na Câmara e no Senado, que precisam aprovar o projeto antes que Biden possa sancioná-lo.

(Reportagem adicional de Susan Heavey, Moira Warburton, Gram Slattery e Jarrett Renshaw)