Petrobras avalia contratar assessores para conselheiros, dizem fontes

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Integrantes do Conselho de Administração da Petrobras avaliam a contratação de assessores para cada um dos membros do colegiado, afirmaram à Reuters três fontes com conhecimento do assunto.

A medida, que acomodaria eventualmente indicados pelo governo a novos cargos na estatal e geraria custos adicionais, foi encaminhada para avaliação de comitês internos da Petrobras.

A notícia de que o conselho avalia a contratação de assessores foi publicada antes pela CNN Brasil, que disse ainda que os possíveis funcionários poderiam receber salários de até 90 mil reais, conforme estimativas de pessoas ouvidas pela emissora.

A Reuters não confirmou tais valores com as fontes com conhecimento do assunto.

Os comitês da Petrobras vão avaliar o pedido sob o ponto de vista de governança e de outros aspectos. Só depois disso o tema passará por votação pelo próprio conselho.

A ideia é que os conselheiros tenham suporte dos novos auxiliares para analisar e encaminhar processos, avaliar documentos, dentre outras questões, disse uma das fontes à Reuters, na condição de anonimato, pontuando que não há definição sobre salários.

As outras duas fontes ouvidas pela Reuters afirmaram que a contratação de assessores é defendida por integrantes do conselho indicados pelo Ministério de Minas e Energia, que representam o governo federal.

Uma dessas fontes pontuou que, se for levada adiante, a proposta será aprovada, uma vez que o "governo tem maioria" no conselho. "O projeto é dos governistas", adicionou.

Continua após a publicidade

A proposta surge após o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, ter afirmado nesta semana que a atual gestão da companhia vem sofrendo uma "campanha de desestabilização", em meio a interesses políticos relacionados à exploração de áreas ambientalmente sensíveis na Foz do Amazonas.

Prates tem sido criticado publicamente pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, sobre as políticas de produção de gás natural da Petrobras.

O colegiado da Petrobras tem hoje 11 integrantes, sendo seis indicados pelo governo, quatro indicados pelos acionistas minoritários e um indicado pelos funcionários.

O conselho da Petrobras se reúne na quinta-feira para aprovar o balanço financeiro do segundo trimestre da empresa.

Procurados, o Ministério de Minas e Energia e a Petrobras não comentaram o assunto imediatamente.

Continua após a publicidade

(Por Marta Nogueira)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes