Conteúdo publicado há 9 meses

Ações da WeWork afundam após alerta de risco de falência

A WeWork alertou sobre uma possível falência, em uma impressionante reversão da sorte do provedor de espaço de trabalho compartilhado que, há quatro anos, era uma das startups mais apreciadas do mundo, com um valor de mercado de 47 bilhões de dólares.

A empresa, que tem entre seus investidores o SoftBank e valia apenas 446,8 milhões de dólares no último fechamento, está em crise desde que entrou com a papelada para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em 2019, quando os investidores apontaram problemas de governança envolvendo seu então fundador e presidente-executivo, Adam Neumann.

A empresa abriu o capital em 2021 em operação envolvendo uma Companhia com Prop[ósito Especial de Aquisição (SPAC, na sigla em inglês) após abandonar seus planos de IPO, mas as dificuldades continuaram, pois os investidores duvidaram de seu modelo de negócios e os clientes passaram a trabalhar de forma híbrida desde a pandemia.

O modelo de negócios da WeWork envolve fazer locações de longo prazo e alugar espaços por um curto prazo.

"Cada vez menos empresas, desde empresas maduras de grande capitalização até startups, estão dispostas a fazer aluguéis de longo prazo para espaços geograficamente fixos", disse o presidente-executivo interino, David Tolley, em uma teleconferência com investidores nesta quarta-feira.

A empresa pode precisar considerar opções estratégicas, incluindo levantar mais dinheiro ou obter alívio sob o Código de Falências dos EUA, disse na terça-feira.

Em março, a WeWork chegou a um acordo para reduzir a dívida em cerca de 1,5 bilhão de dólares e estender a data de alguns vencimentos para economizar dinheiro.

A empresa ainda não obteve lucro e foi citada como um exemplo de avaliações superinfladas comandadas por empresas de tecnologia apoiadas por investidores do Vale do Silício.

"A WeWork foi talvez a startup mais 'overhyped' dos últimos anos", disse Steve Clayton, chefe de fundos de ações da Hargreaves Lansdown.

Continua após a publicidade

A empresa fechou escritórios e cortou empregos em uma tentativa de recuperação, mas a saída de seu presidente-executivo e diretor financeiro no início deste ano complicou os esforços. A busca por um novo CEO está em andamento, disse a WeWork na terça-feira.

Espaço de coworking da WeWork, em São Paulo
Espaço de coworking da WeWork, em São Paulo Imagem: Divulgação/WeWork

Suas ações desabavam 36%, para uma mínima recorde de 0,13 dólar nesta quarta-feira, depois de anunciar que três membros do conselho deixariam o cargo.

Os cortes de custos, no entanto, a ajudaram a registrar um prejuízo líquido menor, de 349 milhões de dólares no segundo trimestre, ante 577 milhões de dólares no ano anterior.

Mas a companhia queimou 646 milhões de dólares em caixa nos primeiros seis meses de 2023 e tinha 205 milhões de dólares em mãos no final de junho.

A WeWork disse que planeja aumentar a liquidez cortando custos de aluguel e locação, controlando despesas e reduzindo a rotatividade de membros.

Deixe seu comentário

Só para assinantes