Conteúdo publicado há 9 meses

Sabesp teve adesão de cerca de 1.900 funcionários a plano de demissões

SÃO PAULO (Reuters) -A Sabesp conseguiu uma adesão de cerca de 1.900 funcionários a seu plano de demissão voluntária que tinha estimativa de obter 2 mil participações, com desligamentos ocorrendo em um horizonte de um ano e que exigiram provisionamento de 530 milhões de reais nas contas da empresa no segundo trimestre, afirmaram executivos da companhia nesta sexta-feira.

A empresa de saneamento básico controlada pelo governo do Estado de São Paulo divulgou na noite de véspera alta de 76% no lucro líquido do segundo trimestre, impulsionada em parte por ganhos financeiros com câmbio e tarifas maiores.

Apesar das ações de redução de calotes de clientes da gestão que assumiu a empresa no início do ano, o índice de inadimplência da empresa subiu para 4,2% no segundo trimestre ante 3,3% no primeiro trimestre.

Segundo a diretora financeira da companhia, Catia Pereira, a Sabesp promoveu "volume muito expressivo" de negativações de clientes inadimplentes em julho, mas em paralelo promoveu ações de cortes de fornecimento e abriu um feirão de negociação de dívidas que vai até final de setembro.

"Esperamos que as ações de corte sejam alavanca para trazer o cliente para negociação no feirão", afirmou a executiva, estimando que o índice de inadimplência tem tendência de queda no segundo semestre.

A executiva afirmou que a oferta da empresa no evento de renegociação de dívidas inclui desconto de 100% nos juros para pagamento à vista do débito e para o caso de parcelamentos a empresa propõe "condições diferenciadas", mas com maior percentual de entrada.

Na B3, por volta de 14h, as ações da Sabesp subiam 2,9%, a 54,70 reais, entre os melhores desempenhos do Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, que tinha queda de 0,45%.

Durante a conferência, Pereira informou que o nível de "reservação" de água da Sabesp neste mês está em 73% e que o sistema Cantareira, principal fonte de água para a região metropolitana de São Paulo, está com 77% nesta sexta-feira ante 35% um ano atrás.

O nível acumulado nos reservatórios administrados pela companhia permite à Sabesp poupar recursos destinados a itens como materiais de tratamento, que no segundo trimestre mostraram queda de 2,8% no custo total, a 139 milhões de reais, ante o mesmo período de 2022, afirmou a executiva.

Continua após a publicidade

Questionado sobre novos empreendimentos, o presidente-executivo da Sabesp, André Salcedo, afirmou que a empresa está atualmente avaliando processos licitatórios das cidades de Ourinhos e Igarapava, depois de ter vencido em maio um contrato da cidade de Olímpia. Há ainda mais três projetos em curso no Estado que podem ser do interesse da Sabesp - Bauru, Marília e Brodowski, mas estão suspensos, disse Salcedo.

"Vão ser objetos de muita atenção. Temos capacidade técnica e financeira para acelerar a universalização (de serviços de água e esgoto) no Estado", afirmou.

(Por Alberto Alerigi Jr.; edição Beatriz Garcia.)

Deixe seu comentário

Só para assinantes