Haddad diz que lei climática dos EUA pode ser usada para ampliação de parcerias com Brasil

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta terça-feira que o governo brasileiro está estudando detalhadamente a nova lei climática dos Estados Unidos para buscar parcerias com os norte-americanos.

Falando a jornalistas em Nova York após conversa com investidores, Haddad disse que os dois países têm a ganhar com uma parceria na área ambiental.

“Estamos estudando o ‘inflation reduction act’ atentamente, detalhadamente, e buscando verificar em que condições e com que regras o Brasil poderia estabelecer parcerias com os Estados Unidos, nos valendo dessa legislação, nos valendo das vantagens competitivas que o Brasil tem”, disse.

Aprovada em agosto nos Estados Unidos, a legislação que envolve 430 bilhões de dólares é vista como o maior pacote climático da história do país. As novas regras foram criadas com o objetivo de enfrentar as mudanças climáticas e cortar emissões domésticas de gases do efeito estufa.

Na segunda-feira, Haddad já havia afirmado que o governo brasileiro buscaria um status privilegiado nas negociações comerciais com o Estados Unidos, sem as “amarras” de acordos bilaterais ou multilaterais. O tema será levado à reunião bilateral de quarta-feira entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

(Por Bernardo Caram)

Deixe seu comentário

Só para assinantes