Banco da Inglaterra mantém juros no nível mais alto em 15 anos, descarta cortes rápidos

Por William Schomberg e Andy Bruce

LONDRES (Reuters) - O Banco da Inglaterra manteve as taxas de juros em um pico de 15 anos, enquanto continuava sua luta contra a inflação mais alta entre as grandes economias ricas do mundo, e enfatizou que não esperava cortá-las tão cedo.

Apesar da publicação de previsões que agora mostram que a economia britânica está próxima de uma recessão e que ficará estagnada nos próximos anos, o BoE manteve a taxa de juros em 5,25% pela segunda reunião consecutiva, após 14 aumentos consecutivos.

A autoridade monetária também reforçou sua mensagem de que os custos dos empréstimos permaneceriam altos, embora apenas cerca de metade do impacto de sua longa série de aumentos nas taxas tenha sido sentida na economia até o momento.

O Comitê de Política Monetária (CPM) da instituição votou por 6 votos a 3 para manter a taxa de juros do banco inalterada, em linha com as expectativas dos economistas em uma pesquisa da Reuters.

"As últimas projeções do CPM indicam que a política monetária provavelmente precisará ser restritiva por um longo período de tempo", disse o BoE. "Seria necessário um aperto adicional na política monetária se houvesse evidência de uma pressão inflacionária mais persistente."

Em setembro, o BoE havia dito que as taxas precisariam permanecer "suficientemente restritivas por um período suficientemente longo".

O presidente do BoE, Andrew Bailey, também tentou enfatizar a mensagem de que a queda da inflação no ano passado, que foi a mais alta desde a década de 1980, e as perspectivas econômicas mais fracas não deveriam ser vistas como um sinal de que os cortes nas taxas poderiam ser cogitados em breve, e que uma possibilidade mais provável seria outro aumento nas taxas.

"Precisamos ver a inflação continuar a cair até a nossa meta de 2%", disse Bailey em um comunicado.

Continua após a publicidade

"Mantivemos as taxas inalteradas este mês, mas estaremos observando atentamente para ver se serão necessários novos aumentos das taxas. É muito cedo para pensar em cortes."

A decisão de manter os juros inalterados ecoou os movimentos do Banco Central Europeu (BCE) e do Federal Reserve. Eles também estão aguardando para ver se a forte elevação dos juros que realizaram conterá o pior surto de inflação do mundo em décadas.

Os formuladores de política monetária também estão atentos a quaisquer sinais de que o conflito no Oriente Médio cause uma nova rodada de inflação mais alta, uma vez que eleva os preços do petróleo e do gás.

Os membros do CPM Megan Greene, Jonathan Haskel e Catherine Mann votaram a favor do aumento dos juros para 5,5%.

Sarah Breeden votou pela manutenção das taxas em sua primeira reunião como membro do comitê desde que substituiu Jon Cunliffe.

O BoE afirmou que está determinado a eliminar o risco de uma espiral prejudicial de aumento de salários e preços.

Continua após a publicidade

Embora a inflação tenha caído de 11,1% há pouco mais de um ano para 6,7% nos dados mais recentes, ela continua sendo mais de três vezes superior à meta de 2% do BoE.

A autoridade monetária disse que agora espera que a economia britânica fique estagnada no período de julho a setembro e cresça apenas 0,1% no quarto trimestre, com previsão de crescimento zero para 2024 e uma expansão de apenas 0,25% em 2025.

Mas, mesmo assim, a inflação só retornaria a 2% no final de 2025, cerca de seis meses depois da previsão anterior.

Os investidores acreditam que o BoE chegou ao fim de sua série de aumentos de taxas, dado o risco de uma recessão.

No período que antecedeu o anúncio de quinta-feira, eles estavam apostando que o BoE manteria as taxas de juros inalteradas até pelo menos agosto do próximo ano, quando provavelmente começaria a reduzi-las.

O BoE não deu sinais de que estava desafiando essas expectativas: suas previsões nesta quinta-feira mostraram que, com base na precificação do mercado para a taxa bancária no futuro, a inflação cairia para sua meta de 2% em dois anos.

Continua após a publicidade

É provável que a desaceleração da economia e o enfraquecimento do impacto do aumento do preço da gasolina no ano passado signifiquem que a inflação retomará sua queda em breve. O BoE disse que ela provavelmente cairá para 4,8% em outubro, quase dois pontos inteiros a menos do que em setembro.

Mas o BoE ainda está de olho no forte crescimento dos salários, que ele teme que possa manter a chama da inflação acesa.

A entidade disse que há "incertezas crescentes" sobre os dados oficiais do mercado de trabalho, que têm sido prejudicados pelas baixas taxas de resposta das pesquisas, mas é provável que o crescimento do emprego tenha sido mais fraco do que se pensava anteriormente e espera-se que o crescimento preocupantemente forte dos salários arrefeça.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes